"“Muitos crentes consagrados jamais atingiram os campos missionários com seus próprios pés mas poderão alcança-los com seus joelhos” (Adoniran Judson)”"

sábado, 31 de outubro de 2009

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

RELATO DE SOON OK LEE - MULHER CRISTÃ NORTE-COREANA

CRISTÃOS NO CAMPO DE CONCENTRAÇÃO

Alguns fatos sobre o governo norte-coreano:

1. Cerca de dois milhões de pessoas morreram de fome na década passada.

2. Um número estimado de duzentas mil pessoas está em campos de concentração políticos.

3. Cidadãos norte-coreanos são propriedades do governo. Isto significa que o governo tem reinado independente sobre a vida de cada cidadão. Um slogan usado pelo governo é, "se o partido decidir, eu realizarei".

4. Um dos alvos centrais do governo é a reunificação das duas Coréias sob governo comunista.

5. A Coréia do Norte não é uma nação ateísta. A religião do estado é denominada Juche (Joo-Chae). Seus seguidores acreditam que Kim Il Sung e Kim Jong Il sejam divinos, imortais e dignos de toda oração, honra, poder e glória. Qualquer outra religião é severamente proibida e a pessoa que segui-la deve ser morta.

6. Conforme a revista Newsweek International, a Coréia do Norte é, atualmente, o país que mais viola os direitos humanos no mundo.

7. Apesar de tudo sos cidadãos passam por uma lavagem cerebral até pensar que a Coréia do Norte é o paraíso na terra e as outras nações são terríveis lugares para viver.

A situação angustiante da Coréia do Norte não é fruto apenas da falta de comida, dinheiro ou nenhum outro recurso material. Origina-se de um sistema de crenças impostos por um governo egoísta e opressivo que mantém sua própria agenda política a preço do bem-estar de seu próprio povo.

Texto e Vídeo Tirados daqui Missões Portas Abertas http://www.portasabertas.org.br/

http://human-pixels.blogspot.com/2009...

(DEIXE SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE TEXTO ANTES DE SAIR. OBRIGADO)

IGREJA PERSEGUIDA NA CORÉIA DO NORTE

CORÉIA DO NORTE UMA NAÇÃO QUE CLAMA

A situação dos cristãos na Coréia do Norte é a mais difícil no mundo atual. O país ocupa o primeiro lugar na classificação de países por perseguição.

As reuniões entre eles são feitas em cavernas no meio da madrugada. Eles deixam suas casas às três da manhã e caminham mais de quatro horas para chegar ao local. Lá eles se reúnem por cerca de uma hora e voltam para seus lares.

O culto começa e eles cantam duas ou três músicas. O momento de louvor é seguido por oração, que é onde eles gastam mais tempo e são bem avivados. Depois nossos irmãos coreanos compartilham uma mensagem breve que dura cerca de dez minutos. Ao término, eles agradecem a Deus pela reunião com mais dois cânticos.

Dos cristãos que comparecem à essa reunião 30% são homens e 70% mulheres com uma média de idade de 50 anos de idade. Quando uma pessoa é cristã e a polícia fica sabendo disso a família toda e seus demais parentes também são enviados aos campos de trabalho forçados.

As pessoas costumam guardar porcos e coelhos em seus próprios banheiros de casa para que tenham um meio de sustento e possam sobreviver. O norte coreano tenta vender esses animais no mercado negro. O povo não tem condições de alimentar esses animais de maneira adequada e o resultado disso é a deformação das pernas dos bichos devido ao peso e à desnutrição. Mas ainda assim, eles preferem manter esses animais junto com eles. Um cão é vendido por um preço muito baixo.

Muitas mulheres se prostituem vendendo seus corpos para fazendeiros em troca de três ou quatro maços de couve, para que depois elas possam vender essas verduras no mercado negro.

Se as pessoas conseguirem ter ovelhas e coelhos, podem criá-los legalmente, desde que esses animais permaneçam dentro das residências. Eles precisam de permissão para comer a carne das ovelhas e dos coelhos, e parte da carne tem que ser entregue ao governo.

Existe um cristão que tenta apoiar as pessoas ensinando-as a plantar todos os tipos de vegetais. Como quase todas as terras estão desocupadas, o solo passa a ser fértil, mas na época da chuva esses solos acabam não tendo mais utilidade. Não existe sombra para o plantio de milho. As árvores foram cortadas para criar mais terras para agricultura, o que foi um grande erro, já que a conseqüência disso foi a erosão.

Todas essas circunstâncias geraram a perda das sementes, resultando em fome para o povo deste país.

Motivos de oração:

Ore para que os cristãos da Coréia do Norte sejam fortificados e mantenham-se firmes no Clame a Deus por esta nação que sofre com a miséria financeira e espiritual.

(ASSISTA AO VIDEO ACIMA E ANTES DE SAIR DEIXE O SEU COMENTÁRIO. OBRIGADO)

SOFRIMENTO DOS CRISTÃOS NORTE-COREANOS

Estátua do líder Kim Il Sung, na capital norte-coreana





Na Coreia do Norte, os cristãos são vistos como subversivos políticos, pois adoram ao Senhor como único Deus, ao contrário do que é comum no país, ou seja, a veneração da família Kim como os divinos salvadores da Coreia.

Pelo "crime" do cristianismo, três gerações de uma família são presas em campos de trabalhos forçados, onde crueldade, atos desumanos e fome garantem uma vida curta e atormentada. Os refugiados afirmam terem visto cristãos sendo publicamente humilhados, agredidos e executados somente por possuírem uma Bíblia. Esse retrocesso do país é um vendaval devastador para a Igreja.

Pedidos de oração

• Ore para que o país tenha sua herança espiritual restaurada, pois a capital Pyongyang foi o lugar de origem do avivamento coreano no início do século XX.

• Ore para que cada cristão norte-coreano que está preso ou que precisa cultuar clandestinamente. Que eles recebam sustento, consolo e forças para serem testemunhas do evangelho.

• Ore para que a Coreia do Norte seja livre, para que a perseguição aos cristãos no país diminua e que todos os cidadãos e autoridades conheçam o amor de Cristo.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

TORAJAS - UM POVO QUE VIVE EM FUNÇÃO DA MORTE


A província de Sulawesi do Sul compreende o sul estreita península ocidental da ilha-orquídea forma que é principalmente montanhosa.
O Bugis marítimas dominar o extremo sul, enquanto a parte norte de Sulawesi do Sul é habitado pelo Torajas cuja cultura única que os rivais do balinês.


Famoso por seu património marítimo e escunas Pinisi durante séculos, a Bugis possuir um dia para o presente do passado frotas à vela do mundo.


Os navios Bugis ter navegado para tão longe como o litoral brasileiro, deixando para trás os desenhos de seus navios em pedra com as palavras que foram integradas na língua aborígene da Austrália do Norte.

Situado na encruzilhada de mar bem viajado-pistas, a sua capital e principal porto comercial de Surabaia, é até hoje a passagem a leste da Indonésia. Galeões Espanhol e Português, seguido por comerciantes ingleses e holandeses navegou estes mares em busca do comércio de especiarias, acompanhado por seus homens de guerra para protegê-los contra os ataques ousados do Bugis e Makassarase que atacaram os intrusos.


Surabaia, era antigamente Makassar, conhecido por seu petróleo Macassar de que o Inglês palavra "antimacassar" evoluiu para capas de estofos para proteger os pequenos. The fortifications which overlook the harbor were originally built in 1545. As fortificações com vista para o porto foi construído originalmente em 1545. Rei mais famoso Gowa é considerado um herói nacional, chamado Sultan Hasanuddin, o rei 16 de Gowa que travou uma guerra longa e feroz contra as forças coloniais.


A pedra Tomanurung com inscrições ainda podem ser vistos em um lote vizinho dos túmulos reais, perto Sungguminasa, antiga sede dos reis de Gowa. O reino Bugis do osso, e Wajo Soppeng eo reino Makassarase de Gowa surgiu no século 13.

Embora interligados através do casamento, Bone e Gowa há séculos lutaram umas contra as outras. A costa sul é protegida por arquipélagos pequena e tem excelentes instalações para esportes náuticos. Estas ilhas têm sido desenvolvidos para estâncias de férias. Mais a norte, através do país é áspero Tana Toraja, muitas vezes referida como a "Terra dos Reis Celestial".


Um grupo étnico que acredita que seus antepassados desceu do céu sobre uma montanha de cerca de vinte gerações atrás, a Torajas têm uma cultura única, baseada em crenças animistas. Conhecido pela sua grande cerimónias fúnebres em penhascos ou sepulturas de suspensão, que praticam um culto ancestral ainda hoje, onde a morte e as cerimónias pós-vida são grandes festas, quando os búfalos são sacrificados na cerimônia final de morte, após o qual o falecido restos são colocados em um caixão e enterrado no grutas escavadas nas falésias.


A boca da caverna é guardada por estátuas realistas, olhando para fora da varanda ". Como a morte tem um significado tão importante ", quando as almas são liberadas, os enterros são elaborados e siga dias de festa. Rock sepulturas são também uma forma de enterro. A hierarquia rígida é seguido nas aldeias.

"Tongkonan" (casas de família) são construídas sobre palafitas, com telhados em cada extremidade em ascensão como a proa de um navio, representando o cosmos. As montanhas oferecem um panorama fantástico de belezas naturais, incluindo a longa viagem de Surabaia de Tana Toraja. Sulawesi do Sul também é conhecida pela sua indústria de seda e prata, o trabalho que a sua economia é baseada na agricultura.

Há vários vôos diários de Jacarta e também diariamente os serviços de Bali, Surabaya e Manado.

V E R G O N H O S A S - C U R I O S I D A D E S

Você Sabia?

Segundo o livro ''Valioso Demais Para Que Se Percam'' (Ed. Descoberta) muitos missionários abandonam o campo para não morrerem de fome, solidão ou desprezo. Eles são enviados pelas igrejas em cultos festivos; poucos meses depois, irresponsavelmente tem o salário cortado, não recebem nenhum cuidado pastoral e muito menos um preparo adequado. Voltam para os países e igrejas de origem frustrados, deprimidos e arrebentados emocionalmente…

''Isto é uma vergonha. ''

Notícias Tristes

* No Brasil, os homens cristãos gastam por ano mais com refrigerantes do que com missões.

* As mulheres cristãs gastam mais com cosméticos do que com missões.

* Os jovens gastam mais com chicletes e lanches, do que com missões.

* No Brasil, certa denominação detectou através de pesquisa que a média de oração de seus
membros é de 2 minutos diários. Será isto um fato nas demais igrejas?
(OBRIGADO PELA VISITA. ANTES DE SAIR, CLIC NO LINK ABAIXO E FAÇA
SEU COMENTÁRIO SOBRE O TEXTO ACIMA).

terça-feira, 27 de outubro de 2009

COMO INCENTIVAR OS JOVENS COM PAIXÃO MISSIONÁRIA

A paixão de um amor como o de Cristo pelas pessoas se desenvolve no discípulo cristão em vista da presença em seu íntimo de poderes e atividades que refletem a mente de Cristo. E o que era a mente de Cristo? Uma visão clara do que o mundo é e necessita. Um sentimento profundo de compaixão pelo mundo. Um esforço ativo a favor do mundo, a ponto de dar a Sua vida como resgate por muitos.

Dentre esta trindade de poderes surgiu a paixão do Seu amor pelas vidas humanas – o amor ilimitado, insondável, imortal de Cristo pelo homem. O ministro de Cristo pode falar com línguas de homens e de anjos, pode ter todo o conhecimento, toda a fé que pode mover montanhas, mas se não tiver a paixão de um amor como o de Cristo, ele não tem o Espírito de Cristo, e não é, então, dEle.

O problema do seminário teológico não é treinar ocasionalmente um individuo para o campo no estrangeiro, mas como despertar a paixão missionária em cada pessoa que passa pela escola, para que se torne um ministro capaz de Cristo.

O essencial é que haja na escola um altar sagrado de paixão missionária, no qual a tocha de cada homem possa ser acesa, e o lábio de cada homem, tocado com uma brasa viva.

Por causa daqueles que provavelmente possuem dons para o serviço no exterior, o seminário teológico deve arder de zelo pela evangelização, sentir o fardo da preocupação com as condições do mundo, de modo que ninguém possa viver dentro dos seus muros sem enfrentar em seu íntimo a séria pergunta: É da vontade de Cristo que eu vá servi-lo em regiões distantes?

Quanto ao homem que entra no pastorado em sua pátria, ele deve ter uma paixão missionária que o torne grande em compreensão e apostólico em sua visão de Cristo e do cristianismo. Para vencer a resistência da ignorância e preconceito, para despertar a atenção das mentes apáticas – cegas para a grande importância da evangelização do mundo -, para educar a inteligência da igreja, para conseguir em casa os suprimentos que manterão o serviço de Deus lá fora, é necessário que o pastor tenha paixão missionária. Mas o homem que vai assim conquistar, deve ser primeiro conquistado e incendiado por Deus.

O estudo das missões está lentamente alcançando o nível de uma disciplina teológica. Mas o estudo das missões como uma disciplina do seminário teológico não pode, por si mesmo, incendiar o futuro ministério com paixão missionária.

Vejo outras forças operando para promover esse fim glorioso.

Vejo o desenvolvimento de um novo conceito do ministério que está atraindo muitos dos mais dotados e consagrados entre nossos jovens.

Em inúmeras faculdades pode ser encontrada hoje a flor da nossa juventude, para quem o ministério não parece ser um mundo reservado e sombrio de técnicas eclesiásticas, mas a própria estrada do rei para um serviço alegre e abundante.

Vejo entre os nossos jovens o desenvolvimento de uma disposição de espírito que está crescendo em direção a um grande entusiasmo missionário pelo ministério do futuro. A consagração pessoal para o serviço pessoal é um conceito de vida que se torna cada vez mais atraente para muitas das nossas mentes mais brilhantes.

Desta classe de intelectos virá o ministério do futuro. Ele será um ministério cheio de Cristo, contemplando a glória de Deus na face de Jesus Cristo, adorando-O com o entusiasmo de uma afeição absolutamente destemida, e apresentando-O como o único Nome sob o céu pelo qual os homens podem ser salvos. Será um ministério missionário, cheio de paixão para remir, perspicaz o suficiente para descobrir a direção da obra de Cristo, fiel em sua mordomia em casa e no exterior. Apostólico em sua segurança de que Cristo ordenou produzir muito fruto, apostólico em sua ânsia de levar bem longe o evangelho do Senhor ressurreto e assunto aos céus, apostólico em sua esperança de que o Salvador invisível e coroado voltará com toda a certeza.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

A IGREJA DEVE CONHECER AS NECESSIDADES ESPIRITUAIS, SOCIAIS E FISICAS DO MISSIONÁRIO



I Co: 16.9-17; II Co: 11.9

1. A Igreja não deve enviar o missionário ao campo e esquece-lo.

2. A comunicação é fundamental para manter a igreja e o missionário comprometidos e sempre seguindo juntos avante.

3. A troca regular de: Cartas, mensagens por telefone, e-mails, podem prover a igreja de conhecimento de todas as necessidades pessoais e ministeriais dos missionários.

4. Ao mesmo tempo o missionário bem assistido transporá melhor os obstáculos e saberá sempre que não está só nos confins do mundo.

5. Falta de comunicação produz falta de oração e apoio, o que por sua vez, leva à derrota e volta prematura do missionário.

TRÊS MANEIRAS DE APOIAR OS MISSIONÁRIOS NO CAMPO:

a) Orando regularmente por eles.
O apóstolo Paulo escreveu do campo, onde ele era embaixador em cadeias, pedindo por suprimento espiritual. (Efésios 6.19-20).

A oração muda situações, move as forças espirituais de Deus e provê munição para a batalha espiritual.

Quando o mar estava revolto e o naufrágio parecia inevitável, os discípulos clamaram a Jesus e a situação tornou-se totalmente a favor (Mc: 4.38-39).

A igreja que está ciente da seriedade da guerra espiritual, mantém-se em constante oração. Não se trata de orações ocasionais em um ou outro culto. O que precisamos é de um movimento de oração interminável, sistemático em nossas igrejas.

Não se trata de um programa de oração, nem de uma semana de oração pró missões. Ao contrário deve ser um estilo de vida cultivado em nossas igrejas.

Um sólido e permanente estilo de vida em oração por missões deve ser alimentado com boas informações, boa correspondência com o campo e verdadeiro compromisso com o missionário.


b) SUSTENTANDO-OS COM NOSSOS RECURSOS MATERIAIS

c) ESCREVENDO PARA ELES (Provérbios 25.25)



Só é possível saber a importância de uma simples carta àqueles que já viveram fora de sua pátria.

Para os missionários, as cartas têm ainda maior significado, pois o mundo espiritual traz maiores aflições do que sofrem aqueles que simplesmente saíram do país para ganhar dinheiro.

Na guerra espiritual existem muitos inimigos e obstáculos a vencer. As cartas ajudam! E como! Deus usa as cartas para encorajar, aliviar, informar, atualizar e abençoar.

Algumas vezes Deus usa uma carta para responder a oração do missionário.



quarta-feira, 21 de outubro de 2009

CRISE ECONÔMICA OU CRISE DE FÉ?



Depois de 11 de setembro, a maioria dos países do mundo enfrentaram a maior crise da história da humanidade. Como uma reação em cadeia várias companhias aéreas tiveram que ser socorridas empresas despediram seus empregados. O aumento do desemprego atingiu níveis preocupantes. Enfim, a instabilidade econômica teve efeitos em escala global. Em nosso país ainda que a crise financeira mundial não nos tenha atingido de forma preocupante, já que como diz nossas autoridades governamentais ela não passou de uma “marolinha”.


Não podemos ignorar que hoje, estamos vivendo um período crítico em relação aos investimentos missionários. Infelizmente, quando passamos por alguma crise financeira, a primeira área que sempre é a primeira a ser atingida é a Obra Missionária.


Os especialistas em marketing afirmam que em tempo de crise é hora de investir. Este é um princípio utilizado pelo Senhor da Obra Missionária. Para Ele não há crise. O que há é uma ordem de fazê-lo conhecido, principalmente para aqueles que ainda não tiveram uma oportunidade de conhecê-lo (Ageu 1.6-8).


Recentemente, enquanto perdurava a crise financeira mundial, vimos um aumento especulativo no valor do dólar que afetou tremendamente o sustento dos missionários, afinal o sustendo missionário sem esteve cotado pela moeda norte americana.


Hoje no Brasil vivemos um momento especial em que o dólar numa escalada vertiginosa para baixo deixa a nossa moeda, o real, supervalorizado. Mas, isso ainda não foi suficiente para vermos mudanças na atitude da Igreja em relação ao sustento dos nossos missionários.


Em chinês, a palavra “crise” é registrada com um caractere que possui dois significados: “perigo” e “oportunidade”. Para os norte-americanos e britânicos têm sido um grande perigo trabalhar na região onde vivem os muçulmanos, mas para os latinos há grandes oportunidades, por não sermos associados, ”ainda”, com nações beligerantes.

Neste momento, muitos missionários que estão no campo, tiveram o sustento diminuído durante a “crise”. Isso ocorreu quando eles já estavam vivendo no limite de suas finanças.

Alguns estão exercendo atividades extranhas ao ministério, visando com isto complementar seus sustentos. Missionários e missionárias acabaram tornando-se professores, estão fazendo artesanatos, salgadinhos para vender e até trabalhando como babás.

Eles fazem isso para não precisarem voltar dos campos onde estão, pois as igrejas e mantenedores não corrigiram o sustento. O que é pior: algumas delas inclusive diminuíram ou atrasaram o envio de verbas. Infelizmente, houve até mesmo aqueles que chegaram ao cúmulo de cortarem totalmente o investimento. Ao pensar nisto, vem a minha mente o texto de Hebreus 11 que menciona a “galeria dos heróis da fé” e diz que “o mundo não era digno deles...” (v. 38).

Outra mudança que pudemos sentir foi o aumento de interesse dos brasileiros pelos muçulmanos, pelo hinduísmo. O interesse por conhecer o islamismo e o hinduísmo foi aguçado principalmente depois que foram apresentadas novelas que tratavam destes assuntos, mas elas não mostraram a realidade do Marrocos, da Índia. Nunca se mencionou a perseguição dos muçulmanos aos que se convertem a Cristo nos países onde predomina o islamismo, a perseguição imposta aos cristãos em vários estados da Índia, como Orissa onde cristãos são mortos, pastores são presos e igrejas queimadas.

O mundo vem se tornando cada vez uma vila global. Com a invasão do Afeganistão, muitos de seus habitantes fugiram para outros países. Algumas famílias de afegãos inclusive vieram para o Brasil e estão vivendo em Mogi das Cruzes (SP) e Porto Alegre (RS). Infelizmente a igreja brasileira não está preparada para alcançá-los.


Existe algo que está acontecendo, mas que não é divulgado no meio cristão. Os muçulmanos estão usando uma nova estratégia de propagação. Eles enviam seus jovens treinados para outros países a fim de casar-se com moças cristãs. Com isso, eles esperam que as esposas se convertam ao islamismo e formem famílias muçulmanas nos lugares onde o Islã ainda não é forte. Sabemos que isso está ocorrendo aqui no Brasil, inclusive com algumas mulheres evangélicas.


Há um caso que teve alguma repercussão na mídia brasileira: uma evangélica que não quis se converter ao Islã. Como resultado, o esposo voltou ao Oriente Médio e levou os filhos junto com ele. As leis internacionais com respeito à guarda dos filhos não são respeitadas em repúblicas islâmicas. Um testemunho disso ficou famoso por causa de um filme baseado em fatos reais: “Nunca sem minha filha”.

Creio que essas mudanças que ocorreram também são respostas de muitas orações da Igreja de Cristo a favor dos povos muçulmanos. Anualmente, várias campanhas são realizadas visando conclamar a comunidade cristã mundial a orar pelos povos muçulmanos.


A abertura sentida no meio dos muçulmanos pode ser comprovada de muitas maneiras. Nos últimos 25 anos houve mais conversões de muçulmanos a Cristo do que em toda a história da igreja. O filme Jesus, baseado no livro de Lucas, foi traduzido para mais de 300 línguas e assistido por mais de 2 bilhões de pessoas. Hoje é o filme mais pirateado no mundo muçulmano.


Enquanto no Ocidente o Natal cada vez mais é significado de Papai Noel, consumismo, presentes, comida e bebida, esse filme sobre a vida de Jesus chegou a ser exibido em cadeia nacional na semana do Natal em duas nações islâmicas.
No Egito, Sudão e Argélia está começando um avivamento na igreja. Em muitos lugares muçulmanos estão tendo visões e sonhos com Jesus e se convertendo e querendo ser discipulados. A Operação Trânsito, que distribui um kit evangelístico aos povos do Norte da África que residem na Europa, mas que para ver os seus familiares nas férias de verão retornam tem sido preponderante para a conversão de centenas de muçulmanos.


Pela primeira vez na história uma nação islâmica se abre para o Evangelho – o Afeganistão. Vale lembrar que o preço pago para tal abertura foi altíssimo. Essa foi uma nação que sempre sofreu reveses, primeiro na invasão dos russos, depois o controle Talibã e recentemente com as bombas despejadas sobre eles.


Mas uma coisa é certa: este acontecimento mostrou que a Igreja não estava preparada para tal abertura, pois não tinha obreiros preparados com muito amor, paixão e compaixão para ajudar esta nação devastada.


Há outro exemplo forte disso: o Timor Leste, uma ilha que era dominada pelos muçulmanos, mas que agora se abriu para a proclamação das Boas Novas. Quando o atual Primeiro Ministro Xanana Gusmão esteve no Brasil pediu professores de português para para seu país, com vistas a formar uma geração com uma nova língua portuguesa. Parece que apenas alguns poucos líderes e pastores ouviram esse clamor.


O Timor Leste continua aberto para o evangelho, mas já se ouve rumores de mudança de atitude por parte dos líderes governamentais e religiosos no sentido de impedir o avanço do evangelho naquela nação. Algumas restrições já são impostas para fornecimento de vistos de permanência de novos missionários.


O que está acontecendo com a Igreja brasileira? Esta é uma oportunidade única! Estamos desperdiçando? Será que não conseguimos ver o que Deus está nos proporcionando? O que diremos quando chegarmos diante do Senhor?

Conclusão

Irmãos, depois de pensarmos sobre todas essas coisas, nos resta uma reflexão e também uma ação concreta. Depois dos acontecimentos do 11 de setembro. Depois de termos atravessado a maior crise financeira da moderna história da humanidade. O que está faltando para que os evangélicos brasileiros, que afirmam ser mais de 25 milhões, assumam o compromisso de enviar e sustentar mais missionários para alcançar os povos não-alcançados? É preciso que abramos os nossos olhos e oremos.


Oremos pelos pastores brasileiros. Peçamos a Deus para que eles tenham visões, revelações e sonhos, assim como os muçulmanos estão tendo, e venham a investir mais em vidas do que em “mega-catedrais”.


Oremos também por homens de Deus dispostos a irem aos não-alcançados. As estatísticas mostram que número de mulheres que estão trabalhando entre os menos alcançados pelo evangelho é o dobro do que os de homens.


Fiquei envergonhado ao ver mais uma vez que os homens continuam orando assim: “Eis-me aqui, envia minha irmã...” Baseados em Mt. 9.36-38, vemos que certas orações são perigosas, pois o Senhor pode decidir enviar a pessoa que ora para responder a sua própria oração.


Tenho certeza e entendo que nós podemos e devemos ser a geração que trará Jesus de volta (conforme Mt 24.14). Portanto, apressemos e trabalhemos “enquanto é dia, pois a noite vem quando ninguém pode trabalhar...”


Ao refletir sobre as orações de milhões de pessoas ao redor do mundo, feitas na década passada em favor dos povos muçulmanos e pedindo por obreiros, concluo que esta primeira década do Novo Milênio e que já está terminando, será o tempo em que veremos milhões de muçulmanos vindos a Jesus!


Oremos por isto e pelas nações e governantes muçulmanos. Peçamos a Deus por uma abertura para o Príncipe da Paz, o Senhor Jesus.


Por aqueles que são negligenciados e esquecidos pela igreja, mas amados pelo Senhor Jesus – os povos muçulmanos.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

A IGREJA MISSIONÁRIA - ATOS 13.1-3



Creio que a Igreja de Antioquia, desempenhou uma função tão importante quanto à Igreja de Jerusalém, no início do cristianismo.


O cristianismo chegou até Antioquia, através de alguns irmãos que fugiram de Jerusalém, com a perseguição movida nos dias de Estevão, At 11.19, "E os que foram dispersos pela perseguição que sucedeu por causa de Estevão caminharam até à Fenícia, Chipre e Antioquia, não anunciando a ninguém a palavra, senão somente aos judeus".


Embora estes irmãos inicialmente não pregassem aos gentios, alguns de Chipre e de Sirene, indo até Antioquia, anunciaram também aos gregos, At 11.19-20, "E os que foram dispersos pela perseguição que sucedeu por causa de Estevão caminharam até à Fenícia, Chipre e Antioquia, não anunciando a ninguém a palavra, senão somente aos judeus. E havia entre eles alguns homens cíprios e cirenenses, os quais entrando em Antioquia falaram aos gregos, anunciando o Senhor Jesus".


Tal resolução foi abençoada pelo Senhor, At 19.21, "E a mão do Senhor era com eles; e grande número creu e se converteu ao Senhor". Pois a salvação dos gentios estava no plano de Deus.


Quando chegou a notícia a Jerusalém, que muitos ali tinham aceitado a Palavra, a Igreja enviou para lá Barnabé, que começou a trabalhar na edificação e no crescimento daqueles irmãos, At 19.22.23, "E chegou a fama destas coisas aos ouvidos da igreja que estava em Jerusalém; e enviaram Barnabé a Antioquia. O qual, quando chegou, e viu a graça de Deus, se alegrou, e exortou a todos a que permanecessem no Senhor, com propósito de coração".


Barnabé tinha condições de exercer um ministério abençoado, At 19.24, "Porque era homem de bem e cheio do Espírito Santo e de fé. E muita gente se uniu ao Senhor". Contudo, notando este irmão, a carência da Igreja, foi para Tarso à procura de Saulo para que este o ajudasse no desenvolvimento do trabalho, At 19.25-26, "E partiu Barnabé para Tarso, a buscar Saulo; e, achando-o, o conduziu para Antioquia. E sucedeu que todo um ano se reuniu naquela igreja, e ensinaram muita gente; e em Antioquia foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos".


Estes dois homens de Deus tinham os caracteres missionários, e movidos pelo Espírito Santo, levaram aquela Igreja a um despertamento missionário impar e que contribuiu grandemente para o desenvolvimento do cristianismo. "Vejamos alguns pontos sobre a Igreja Missionária":


I - É UMA IGREJA QUE TEM ESTRUTURA


Vs. 1, "E na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé e Simeão chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes o tetrarca, e Saulo".


1º) Quando a Igreja ama missões, Deus começa a formar nela uma estrutura de liderança, para que possa contribuir para o trabalho missionário, sem perigo interno.


2º) Inicialmente, a Igreja contava com apenas dois líderes, Barnabé e Saulo, mas outros foram levantados pelo Senhor:


a) "Os profetas e doutores".


b) Simeão, que tinha por sobrenome "Níger". Talvez este Simeão, tivesse sido o mesmo que teria ajudado Cristo a carregar sua cruz, Mc 15.21, "E constrangeram certo Simão, cireneu, pai de Alexandre e de Rufo, que por ali passava vindo do campo, a que levasse a cruz".

Embora alguns achem que se fosse o mesmo, Lucas teria citado o fato. Contudo, seu sobrenome, "Níger", parece indicar que era da África, de onde também era, aquele que ajudou Cristo a carregar a cruz.


c. Lúcio de Cirene. Algum interprete o identificava com o Lúcio de Rm 16.21, "Saúdam-vos Timóteo, meu cooperador, e Lúcio, Jason e Sosípatro, meus parentes". Se este Lúcio é o mesmo da Igreja de Antioquia, e se ele de fato era parente de Paulo, é provável que seja ele que tenha lembrado Saulo, para que Barnabé o buscasse, At 11.25, "Porque não quero irmãos, que ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado".


d. Manaem, Colaço de Herodes. Foi criado com Herodes, o tetrarca, também conhecido como Herodes Antipas, o que assassinou João Batista. Que melhor destino teve este homem, comparado ao de seu irmão de criação. Josefo citou em seus escritos um homem de nome Manaem, que era essênio e amigo de Herodes, o grande. É provável que este homem tivesse sido parente de Manem.


3º) Com esta estrutura, a Igreja poderia dispor de dois homens para o trabalho que surgira em frente.


II - É UMA IGREJA QUE MANTÉM UMA COMUNHÃO VIVA COM O SENHOR


1º) "Servindo eles ao Senhor".


A palavra "servindo" poderia ser traduzida por "ministrando", "adorando". Servir ao Senhor é estar na presença de Deus disposto a ouvi-lo e obedecê-lo. Paulo recomenda aos Romanos que fossem fervorosos no Espírito, servindo ao Senhor, Rm 12.11, "Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosa no espírito, servindo ao Senhor”. Esta era uma característica da Igreja de Tessalônica, 1 Ts 1.9, "E vós fostes feitos nossos imitadores, e do Senhor, recebendo a palavra em muita tribulação, com gozo do Espírito Santo". Antes, serviam aos ídolos, agora serviam ao Senhor.


2º) "Jejuando e orando".


Notamos que esta Igreja era também uma Igreja de Oração e jejum. A oração e o jejum são partes fundamentais na vida da Igreja que deseja manter uma comunhão com o Senhor. Vejamos esta prática em At 14.23, "E, havendo-lhes, por comum consentimento, eleitos anciãos em cada igreja, orando com jejuns, os encomendaram ao Senhor em quem haviam crido". Aqui Paulo e seus companheiros estavam elegendo presbíteros em cada Igreja formada e era necessário proclamar um jejum. A própria vida de Paulo era pautada por jejuns e oração:
a. 2 Co 6.5, "Nos açoites, nas prisões, nos tumultos, nos trabalhos, nas vigílias, nos jejuns".
b. 2 Co 11.27, "Em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez".


3º) Uma Igreja que tem visão missionária, é uma Igreja que jejua e ora.


III - É UMA IGREJA QUE ATENDE A VOZ DO ESPÍRITO SANTO


1º) “... disse o Espírito Santo: Separai-me a Barnabé e a Saulo, para a obra que os tenho chamado".


2º) É bom notarmos que a chamada missionária começa primeiro no coração do missionário - "os tenho chamado", Gl 1.15-17, "Mas, quando aprouve a Deus, que desde o ventre de minha mãe me separou, e me chamou pela sua graça. Revelar seu Filho em mim, para que o pregasse entre os gentios, não consultei a carne nem o sangue. Nem tornei a Jerusalém, a ter com os que já antes de mim eram apóstolos, mas parti para a Arábia, e voltei outra vez a Damasco".


3º) A chamada do missionário deve ser pelo Espírito Santo. A Igreja deve endossar a chamada, atendendo também a voz do Espírito - "separai-me".


4º) A Igreja em oração cumpriu a ordem do Espírito Santo, Vs. 3, "Então, jejuando e orando, e pondo sobre eles as mãos, os despediram". Embora não tenha contribuído financeiramente, Fp 4.15, "E bem sabeis também, ó filipenses, que, no princípio do evangelho, quando parti da Macedônia, nenhuma igreja comunicou comigo com respeito a dar e a receber, senão vós somente". Os recursos são providos pelo Senhor da obra. No Vs. 4, temos a continuação do trabalho que o Espírito vinha realizando: "E assim estes, enviados pelo Espírito Santo, desceram a Selêucia e dali navegou para Chipre".


CONCLUSÃO:


1º) A Igreja missionária, é aquela que cresce em estrutura, mantém comunhão com Deus e obedece à voz do Espírito Santo.


2º) Deus é o grande missionário, que pelo seu Espírito move a Igreja para esta obra, no sentido de que nós oremos, contribuamos e enviemos os missionários chamados.


3º) A obra de missões, visa a salvação do pecador. Você é pecador. Deus enviou Jesus, o grande missionário, que morreu por você, para que você fosse salvo, Jo 1.14, "E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade".

domingo, 18 de outubro de 2009

SEJA UM PARCEIRO MISSIONÁRIO


A Bíblia diz que a contribuição não é um peso, mas uma graça e graça é um dom imerecido (2Co 8.1). A contribuição não é apenas algo que oferecemos a Deus, mas sobretudo, um favor que Deus concede a nós. Deus nos dá o privilégio de sermos parceiros no grande projeto de evangelizarmos o mundo e assistirmos aos santos. A contribuição é uma semeadura e o dinheiro é uma semente.

A semente que se multiplica é a que semeamos e não a que comemos. Quando semeamos com fartura, colhemos com abundância (2Co 9.6). Quando semeamos coisas materiais, recebemos bênçãos espirituais na mesma medida que aqueles que semeiam as coisas espirituais recolhem bens materiais (1Co 9.11). Logo, como devemos contribuir para a obra missionária?

Em primeiro lugar, devemos contribuir com alegria (2Co 9.7).

A contribuição deve ser um momento de grande alegria. Dar com tristeza para a obra de Deus não tem sentido, pois antes de Deus aceitar a oferta, Ele precisa aceitar o ofertante. O Senhor Jesus diz que mais bem-aventurado é dar do que receber (At 20.35).


Em segundo lugar, devemos contribuir com proporcionalidade (1Co 16.2).

A proporção é o melhor sistema da contribuição. Não deve existir sobrecarga para aquele que tem pouco nem insensibilidade por aquele que tem em abundância.

O apóstolo Paulo coloca esse princípio da seguinte maneira:

“Porque, se há boa vontade, será aceita conforme o que o homem tem e não segundo o que ele não tem. Porque não é para que os outros tenham alívio, e vós, sobrecarga; mas para que haja igualdade, suprindo a vossa abundância, no presente, a falta daqueles, de modo que a abundância aqueles venha suprir a vossa falta, e, assim, haja igualdade, como está escrito: o que muito colheu não teve demais; e o que colheu pouco não teve falta.”Em terceiro lugar, devemos contribuir com regularidade (1Co 16.2).

A contribuição deve ser regular, metódica e sistemática. Assim como as nossas necessidades são constantes, as ofertas precisam também ser constantes.

As ofertas missionárias não devem ser esporádicas e espasmódicas, pois as necessidades são diárias e urgentes. Não podemos reter em nossas mãos os recursos que devem promover o avanço do reino de Deus e o sustento dos obreiros do reino.

A obra missionária é uma tarefa de toda a Igreja. Deus conta com você também! Seja fiel! Aqueles que vão não devem receber nem menos nem mais do que aqueles que ficam guardando a bagagem (1Sm 30.24).


Em quarto lugar, devemos contribuir com sacrifício (2Co 8.3-5).

Não contribuímos apenas com as sobras, mas, sobretudo, com o que nos é essencial. Devemos dar não apenas da nossa riqueza, mas também da nossa pobreza, sabendo que Deus é quem multiplica a nossa sementeira para continuarmos investindo na sua obra (2Co 9.10).

Os crentes macedônios nos dão o exemplo: “Porque eles, testemunho eu, na medida de suas posses e mesmo acima delas, se mostraram voluntários, pedindo-nos, com muitos rogos, a graça de participarem da assistência aos santos. E não somente fizeram como nós esperávamos, mas também se deram a si mesmos primeiro ao Senhor, depois a nós, pela vontade de Deus” (2Co 8.3-5).Em quinto lugar, devemos contribuir com senso de adoração (Fp 4.18).

A oferta missionária é como aroma suave e como sacrifício aceitável e aprazível a Deus. Na mesma medida que assistimos as necessidades dos santos, tributamos culto de adoração a Deus com nossas ofertas.

A contribuição cristã não é apenas algo financeiro. Ela desencadeia reflexos no céu e na terra; ela toca o coração de Deus e o coração dos homens.

De acordo com Atos 1.8, a vontade de Deus é que alcancemos Jerusalém, Judéia, Samaria e até os confins da terra. A obra missionária é feita com os pés dos que vão, com as mãos dos que contribuem e com os joelhos dos que se curvam perante o Senhor.

Colabore! Você terá o privilégio de trabalhar e atuar nos projetos missionários nesse Ministério, abençoando muitas vidas aquém e além fronteiras. Contribua mensalmente com o valor que Deus colocar em seu coração.


Seja fiel! Ele te recompensará!

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

O LUGAR DA ORAÇÃO NA OBRA MISSIONÁRIA


Como qualquer obra que possamos fazer no reino de Deus a oração tem um lugar especial. Sem oração é quase impossível fazer com sucesso algo de natureza espiritual.


Com a oração nós servimos a Deus e à sua obra. Através da oração, Deus serve-se de nós para a sua obra, porque Ele só opera em resposta à oração do homem.


A oração é uma das formas mais fáceis colocada por Deus ao nosso alcance para contribuir para a obra missionária. Você pode não ir, nem contribuir financeiramente, mas você pode orar a favor da obra missionária.


1. A oração é o umbigo da visão missionária (Atos 13: 1-4).


-A oração foi o ponto de partida da missão de Jesus na terra como homem. Jesus abriu o seu ministério com oração e jejum. A Bíblia diz: “E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome.”( Mateus 4:2).


-A oração move a mão de Deus para o levantamento de obreiros para a obra missionária. “Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas, porque andavam desgarradas e errantes, como ovelhas que não têm pastor. Então disse a seus discípulos: Na verdade, a seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.”( Mateus 9:36-38).


Na obra missionária, a oração tem lugar em três vertentes para as quais somos convidados a orar:


A oração na chamada.


“Enquanto eles ministravam perante o Senhor e jejuavam, disse o Espírito Santo: Separai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado.” (Atos 13:2).


• A oração sempre teve lugar na chamada missionária. É no momento de intimidade com Deus que Ele transmite a sua vontade e o seu plano para uma chamada missionária.


• Quanto mais intimidade temos com Deus, mais fácil poderemos ouvi-Lo chamar-nos para a obra missionária.


• Sem a nossa oração, muitas pessoas que andam na igreja teriam dificuldade em descobrir a sua chamada missionária.


2) A oração no envio.


“Então, depois que jejuaram, oraram e lhes impuseram as mãos, os despediram.” (Atos 13:3).


• Na sua palavra Jesus Cristo deu a responsabilidade à Igreja de orar para que fossem enviados obreiros para a sua seara. A omissão desta responsabilidade faz com que a seara seja cheia de obreiros que não são enviados por Deus.


• Um crente que levanta os seus olhos e vê a multidão que caminha para uma eternidade perdida, não pode ficar quieto e não pedir a Deus em oração que Ele envie obreiros para os campos maduros.


• É preciso pedir a Deus que nos encha da sua compaixão para que assim desperte em nós a oração pela obra missionária. Se não seremos semelhantes a muitos líderes mundiais que vêem, mas não têm nem amor, nem compaixão e não podem fazer nada a favor da humanidade.


3) A oração na conquista.


Deus trabalha com o homem para a transformação dos outros. “Nós não somos mais do que cooperadores com Deus...”(1Coríntios 3:9).• Deus quer salvar os perdidos e conquistar nações para Cristo através da nossa oração e do nosso evangelismo.


• Nós pedimos a Deus (em oração) a execução do seu plano na vida dos perdidos, usando-nos a nós (pelo evangelismo). (Atos 4:29-30).


• A oração abre as portas da grande comissão.


• Muitos missionários responderam à chamada, foram enviados, mas agora precisam conquistar as almas para Cristo. Para tal necessitam diligentemente das nossas intensas orações.


1. A oração na visão missionária é como o cinto que segurava as vestes do sumo-sacerdote.


“Estejam cingidos os vossos lombos e acesas as vossas candeias.” (Lucas 12:35).


• Sem o cinto a segurar o seu longo vestido, o sumo-sacerdote teria muito incómodo para cumprir as suas tarefas.


• Sem a oração, toda a estratégia missionária é condenada ao fracasso. Esta é a razão pela qual todos os crentes devem fazer da oração pelas missões uma prioridade.


2. A oração pela obra missionária muda as circunstâncias e o “status-quo” da sociedade. (Atos 16:16-22, 19:23-41).


• Existem barreiras espirituais, tradicionais e culturais que impedem a entrada no campo missionário.


• Não podemos remover barreiras espirituais só com as estratégias e estruturas, é preciso oração.


• Algumas barreiras estão tão enraizadas, e têm por traz uma entidade espiritual que as fortalece. É preciso oração de guerra para derrubá-las.3. A oração abre os olhos da paixão missionária, e a paixão faz as coisas acontecerem.


“ De noite apareceu a Paulo esta visão: estava ali em pé um homem da Macedônia, que lhe rogava: Passa à Macedônia e ajuda-nos. E quando ele teve esta visão, procurávamos logo partir para a Macedônia, concluindo que Deus nos havia chamado para lhes anunciarmos o evangelho.” (Atos 16:9-10).


• A paixão pode nascer através de várias vias: pregação, visitação, informação, preocupação, compaixão, etc.


• Portanto é necessário abrir os olhos da paixão e ver o invisível através da oração missionária.

4. Há surpresas inesperadas que surgem no campo missionário que só podem ser superadas com o poder da oração.


Paulo sabia o significado disso e não hesitou em pedir: “ Rogo-vos, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo e pelo amor do Espírito, que luteis juntamente comigo nas vossas orações por mim a Deus.” Romanos 15:30.


• É importante haver companheiros de oração para aqueles que estão nos campos missionários. Vamos alistar-nos!


• A oração para os missionários e os companheiros de oração, é como uma sociedade (lutando junto) no ministério.


Portanto concluo que a oração tem um lugar preponderante na obra missionária. Aceitemos este desafio, pois a responsabilidade de orar para a obra missionária nos é incumbida pelo senhor Jesus.


Ele disse: “...Rogai, pois, ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua seara”. Lucas 10:2.

PORQUE CONTRIBUIR PARA O TRABALHO MISSIONÁRIO?

Porque somos um povo comprometido com Jesus Cristo e a sua ordem é: IDE... PREGAI... ENSINAI... (Mateus 28.19,20).

Porque na parábola dos talentos aprendemos que aqueles que aplicaram seus talentos dobraram-os; mas aquele que o escondeu, perdeu-o.

Porque queremos fazer a vontade de Deus e sabemos que “Missões” está no coração de Deus: Ele deu Seu Filho.

Porque o Brasil e o mundo são campos brancos para a ceifa. Muita terra há para ser conquistada.

-Há 222 municípios no Brasil com menos de 2% de evangélicos;

-Há pequenas congregações e igrejas, sem pastores;

-Há seminários sem recursos,

-Há obreiros sem sustento digno;

-Há 114 povos indígenas totalmente não alcançados;

-Há 8.000 povos no mundo que ainda não ouviu falar de Jesus;

-Há 3.000 línguas que não possuem nem João 3.16 traduzido.

Porque somos desafiados a engajar nesse projeto divino: a proclamação do Evangelho a tempo e fora de tempo;

Porque há novos trabalhos a serem iniciados, igrejas a serem organizadas, almas para serem salvam, vidas a serem treinadas, obreiros para chegarem ao campo;

Porque a nossa vida, nossos bens e recursos não são realmente nossos. Eles são do nosso Pai Celestial e estão em nossas mãos para administrarmos e são indispensáveis para o avanço do Evangelho.

Porque a responsabilidade é nossa. Se contribuirmos, o missionário pode ir, pode pregar, vidas podem ser salvas;

Porque conhecemos a Palavra de Deus. Se quisermos demonstrar o nosso amor a Jesus, façamo-lo de modo prático: ORANDO, CONTRIBUINDO, ENVIANDO.

Diga “sim”, pode contar comigo, Senhor! Que estas palavras possam arder em seu coração.

“Entre no céu como alguém que tem uma herança para receber, possibilitada pelas contribuições feitas, enquanto viveu aqui na terra. Ou você será um pobretão por não ter enviado nada para lá, enquanto viveu?” (Oswald Smith).

Como missionário de retaguarda você pode: INTERCEDER E CONTRIBUIR.

A oração é a primeira coisa e a mais importante.

-Através da oração, o missionário tem respaldo espiritual.

-A oração é uma arma poderosa contra Satanás, tanto para nós mesmos, como também, para

defender os obreiros que estão na linha de frente.

-Oração constante.

-Oração fervorosa.

O missionário é fortalecido no campo através das orações dos irmãos. Pense nisso.

Por que não decide hoje a assumir a responsabilidade de interceder diariamente por um missionário?

Além da oração, o missionário precisa de sustento material. Esse sustento deve ser dado através de contribuições financeiras.

Apresento-lhe um método eficiente para fazer isso. É a “Promessa de fé”.

Você faz a Deus uma promessa de dar uma quantia para obra missionária, pedindo a Ele que lhe dê a quantia.

Você orará a cada mês por aquela quantia e esperará que Deus lha dê.

A oferta da Promessa de Fé é um método bíblico de recolher ofertas e Deus abençoa. (Cor. 8.9) Ele não fica devendo nada a ninguém.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

A O.N.U PRETENDE REDUZIR A FOME PELA METADE ATÉ 2015 - NÃO PRECISA! ATÉ LÁ JÁ MORRERAM TODOS!!!

Mais de 1 bilhão de pessoas passam fome no mundo
Relatório da FAO mostra que 53 milhões de famintos são latino-americanos
(Texto: Da France Presse)

A fome afeta atualmente 1,02 bilhão de pessoas, quase um sexto da população mundial, segundo um relatório da FAO, a agência da ONU para a Agricultura e a Alimentação, divulgado nesta quarta-feira (14) em Roma por ocasião da Semana Mundial da Alimentação.
Jacques Diouf, diretor geral da FAO, lamentou os números:

- Nenhuma nação está livre e, como sempre, são os países mais pobres, e as populações mais desprotegidas, aqueles que mais sofrem.
O relatório foi realizado em conjunto com o Programa Mundial de Alimentos (PMA) e apresentado às vésperas do Dia Mundial da Alimentação, na próxima sexta-feira (16).
A maior parte das pessoas desnutridas se encontra na região Ásia-Pacífico (642 milhões), seguida da África subsaariana (265 milhões), América Latina (53 milhões) e da região que compreende o Oriente Médio e o norte da África (42 milhões). Nos países desenvolvidos, 15 milhões de pessoas sofrem com a fome.
Como alimentar o mundo

Durante esta semana, 300 especialistas se reúnem em Roma, sede da FAO, para debater o tema "Como alimentar o mundo em 2050".
A população mundial passará de 6,8 bilhões de pessoas atualmente a 9,1 bilhões em 2050, segundo as projeções mais recentes da ONU.
Na quinta-feira, Diouf apresentará o que chamou de "caixa deferramentas" para ajudar os países a implementar programas de luta contra a fome.
Na sexta-feira, durante o dia batizado de "Alcançar a segurança alimentar em tempos de crise", cinco novos embaixadores da boa vontade serão nomeados: o múltiplo medalhista de ouro olímpico americano Carl Lewis, o estilista francês Pierre Cardin, o jogador de futebol francês Patrick Vieira e as cantoras Anggun, da Indonésia, e Fanny Lu, da Colômbia.
De 16 a 18 de novembro, Roma receberá uma reunião mundial sobre a segurança alimentar. O Papa Bento XVI já confirmou presença na abertura do evento.
5 Milhões de crianças passarão fome pela mudança climática em 2050
O climá causará impacto até nos países ricos, onde as pessoas ão ingerir 250 calorias a menos por dia.

O efeito adverso da mudança climática na produção de alimentos causará que 25 milhões de crianças passem fome em 2050 se não se tomam medidas para evitá-lo, advertiu nesta quarta (30) o Instituto Internacional de Política Alimentaria (IFPRI, sigla em inglês) em uma conferência em Bangcoc. - Este drama pode ser evitado com um investimento de US$ 9 bilhões anuais para aumentar a produtividade agrícola e ajudar produtores a enfrentar os efeitos do aquecimento global -, afirmou em comunicado o investigador Gerald Nelson, um dos autores do relatório do IFPRI.- Melhores estradas, sistemas de irrigação, acesso a água potável e escolarização para crianças são essenciais -, acrescentou Nelson, no marco da conferência sobre mudança climática realizado em Bangcoc para preparar a cúpula de Copenhague em Dezembro.

Menos Calorias

O estudo mantém que os habitantes nos países em desenvolvimento terão acesso a 2.410 calorias diárias em 2050, 286 calorias menos que em 2000; na África será de 392 menos; e nos países industrializados de 250 menos. Os líderes doG20 acordaram na semana passada em Pittsburg (EUA) doar US$ 2 bilhões para combater a fome, enquanto a ONU anunciou uma cúpula sobre o problema em novembro.
O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, pressionou o fim de semana passado ao Banco Mundial e a outras instituições multilaterais para que aumentem suas contribuições ao mundo subdesenvolvido, em um momento em que "ainda mais pessoas não têm acesso a alimentos porque os preços são incrivelmente altos por causa da crise econômica ou a falta de chuvas".
Nelson opinou que as crises alimentícia do ano passado, quando as informações de escassez de alimentos básicos suscitaram protestos em numeroso países pobres e emergentes, foi uma chamada de atenção. "A população da Terra será 50% maior que a atual em 2050 (...) os desafios serão enormes até sem mudança climática", acrescentou o investigador.

"Copyright Efe - Todos os direitos de reprodução e representação são reservados para a Agência Efe."

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

UMA EM CADA QUATRO PESSOAS NO MUNDO É MUÇULMANA


Menos de 20% dos muçulmanos vivem em países árabes

Uma em cada quatro pessoas em todo mundo é muçulmana, de acordo com um dos mais completos estudos feitos até hoje sobre o assunto.

A pesquisa feita pela organização Pew Forum on Religion and Public Life, com sede em Washington, levou três anos para ficar pronta e analisa dados de 232 países e territórios.


O estudo concluiu que apenas 20% dos muçulmanos vivem no Oriente Médio e no norte da África, regiões tradicionalmente mais associadas com a religião.

Os números pesquisados indicam também que há mais muçulmanos na Alemanha do que no Líbano e menos na Jordânia e na Líbia somadas dos que na Rússia.

Estudos futuros

Cerca de 60% dos estimados 1,57 bilhão de muçulmanos do mundo vive na Ásia.

Os países com o maior número dos seguidores da religião são Indonésia (202,9 milhões), Paquistão (174 milhões), Índia (161 milhões), Bangladesh (145,3 milhões), Nigéria (78 milhões) e Egito (75,5 milhões).

O estudo indica que mais de 300 milhões de muçulmanos vivem em países onde o islamismo não é a religião mais seguida.

Entre 87% e 90% são da vertente sunita e entre 10% e 13% da corrente xiita.

As maiores populações de xiitas vivem no Irã, Paquistão, Índia e Iraque.

No continente americano, o país com o maior número de seguidores da religião é os Estados Unidos, com pouco menos de 2,5 milhões de pessoas.

O Brasil é o terceiro país no continente, com cerca de 191 mil muçulmanos, bem menos do que os 784 mil da Argentina.

A Pew Forum diz acreditar que o estudo pode fornecer bases para futuras pesquisas sobre o crescimento de populações muçulmanas.

ALERTA - AVANÇO DO ISLAMISMO NO BRASIL


Queridos,

Vejam abaixo algumas das respostas que recebi sobre a estratégia do islamismo de alcançar a América Latina. Vamos nos unir em oração e agir enquanto há tempo.

(Autoria: Pr Igor Shimura) - Obrigado pelo alerta. Em meu ministério tenho visto de perto o quanto o Islã está ativo.

Esses dias estava no Centro-Oeste e vi um missionário islâmico estudando religião com uma família cigana. Há 5 famílias ciganas convertidas ao Islã naquela região. Algo alarmante! Nós crentes não temos missionários entre os ciganos naquela região, mas o Islamismo tem!!! Indo para essa viagem [eu já tinha a notícia de que encontraria ciganos muçulmanos] encontrei o irmão Ariovaldo Ramos no aeroporto de Guarulhos e ao comentar com ele essas informações ele me perguntou porque os ciganos estão se convertendo ao islamismo. Na hora não tinha uma resposta muito certa, pois ainda verificaria essa situação, mas agora tenho resposta: os ciganos estão se convertando ao islamismo principalmente porque nós estamos dormindo, enfurnados nos templos a espera das bençãos de Deus sobre nossas vidas. Se trabalhássemos como Cristo mandou, os ciganos estariam se convertendo à Jesus Cristo.





Veja vídeo abaixo, de um cigano convertido ao islã:
http://www.youtube.com/watch?v=5RJG9AyImyA

O que faremos? Devemos nos arrepender por tanta omissão e fazer a vontade de Deus. Deus é soberano sim, mesmo assim a igreja de Éfeso teve seu cálice movido e algumas igrejas européias viraram mesquitas. Precisamos obedecer Jesus agora.


Missionária em Camboja - Liliana

Em 1996 quando trabalhava em mocambique, tive uma conversa dessas com um islamico dono de uma loja em Johanesburg e ele disse que todos os anos ia ao Brasil doando suas ferias para evangelizar em Foz do Iguaçu.A cada ano que se passa, temos mais mesquitas e islamicos brasileiros e nossas igrejas nem tomam conhecimento disso.Soube que eles tem uma grande estrategia para alcancar o nordeste e nos o que estamos fazendo em prol dos sertanejos ?





Missionária em Timor Leste estudando na Australia escreveu:

Ao ler o email que vc me mandou sobre os mulculmanos tudo se encaixou.
Pois na minha sala tenho 8 estudantes da Arabia Saudita. Eles estudam ingles e portugues. A menina ficou minha amiga e me perguntou, qual e a diferença entre nos?Qual realmente é o seu Deus. GOD ou este profeta Jesus?





Muitas e muitas perguntas. Trouxe para casa desafio de oracao e perguntas para pesquisar na net. Sei que o interesse dela é me evangelizar e o meu tambem e de mostra-lhe a verdade. Vários estudantes serao enviados ao Brasil.





Na universidade tem uma sala especial de oracao so para eles. 60% dos estudantes em toda universidade sao Islamicos. Sao jovens de apenas 20, 21, 23 anos estudando se preparando e o interessante que o governo deles pagam tudo e ainda da uma ajuda de custo de1.500 dolares para viverem aqui por mes.Este sao os que estao fazendo apenas cursinho de ingles e os que estao fazendo mestrado e doutourado recebem muito mais.




terça-feira, 13 de outubro de 2009

CHINA E INDIA - DOIS GIGANTES QUE PRECISAM DE LUZ

Vídeo exibido no encerramento da Campanha de Missões Mundiais 2009 na Ig. Bat. Nova Jerusalém, em Belo Horizonte.Traz estatísticas e informações dos povos de vários países, principalmente China e Índia, dois países em destaque desta campanha.Tem como fundo musical a música "Muito Mais" de João Alexandre e Tirza.

RAZÕES SUFICIENTES PARA NÃO SE FAZER MISSÕES.



(Este texto foi publicado no site Paixão pelas Almas e é de autoria de Luiz Fernando R. Coutinho - Editor do Jornal Paixãol pelas Almas).


Já ouvimos falar de intermináveis motivos para se fazer missões. Agora, veremos exatamente o contrário: razões para não se fazer missões de forma alguma. Aqui fizemos uma apanhado suficiente e completo, dedicado à causa daqueles ‘cristãos’ que nunca quiseram pensar e muito menos fazer missões.


O primeiro motivo para não se fazer missões é simples. Só é um pouquinho difícil de acreditar mas, mesmo assim, pode acontecer.


É o seguinte: você nunca leu na Bíblia o capítulo 15 e o versículo 16 do Evangelho segundo Marcos (a propósito fica no Novo Testamento) que diz: "Ide por todo mundo, e pregai o evangelho a toda criatura". Nunca ter lido este texto bem que poderia ser uma razão para não se fazer missões. Caso você nunca tenha lido este versículo, bem, agora você acabou de ler! Se este era o motivo, já não o é mais.


Esta é mais outra razão:


Deus ainda não me orientou neste sentido. A falta de orientação se deve de igual maneira pela provável falta de conhecimento de um outro versículo, em Mateus 28.19,20a, que diz assim: "Portanto, ide e fazei discípulos de todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado..." Você tem certeza que Deus nunca o orientou? Será que nunca leu isso mesmo? É tão comum, nas igrejas, ouvir a segunda parte do versículo 20, que diz: "E certamente estou convosco todos os dias até a consumação do século". Não é linda essa palavra? Até parece dizeres de caixinha de promessa. Agora, se você quiser ignorar os versículos anteriores, não podemos fazer nada. Só que ignorando-os, logicamente que esta última promessa de Cristo na sua vida também deverá estar de igual modo ignorada, pois esta incluído no mesmo versículo. Você concorda?


Outro motivo:


Você é um daqueles que diz assim referindo-se a missões: "Primeiro Jerusalém (ou seja na cidade onde moro), depois em Judéia (nosso Estado) e mais depois ainda em Samaria (nosso País) e por último de tudo, ... os confins da terra". Pior de tudo é que sai falando que isto está na Bíblia (só não se lembra em que lugar).

E ainda: "Não é justo mandar missionários para longe, quando na minha cidade há muitos para se converterem". O versículo bíblico mais parecido com a afirmação acima diz algo bem diferente, mais precisamente o contrário. Mas nós perdoamos; são coisas que acontecem... você também nunca deve ter lido o versículo de Atos 1.8, ou, se leu, não enxergou direito: "Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra". Isso indica claramente a simultaneidade. Não há nada que sugira de primeiro num lugar e depois em outro e por último os confins da terra.

O campo que Jesus explicava numa de suas parábolas, não é o meu bairro, nem minha cidade, nada disso. O Brasil também não é o campo. Jesus disse: "O campo é o mundo" (Mateus 13.38). A ordem é semear a palavra no mundo inteiro. Talvez você nunca tenha lido isso na Bíblia, mais precisamente no Novo Testamento! E quanto ao fato de não ser justo mandar missionários para longe, quanto em minha cidade há muitos para se converterem - então, obviamente, se você já é um salvo que crê em Jesus Cristo, então você não passas de um erro cometido no passado por um missionário, que saiu de sua terra para vir até o Brasil pregar o Evangelho antes que sua própria cidade fosse evangelizada. Seguindo esta mesma linha de raciocínio, o Espírito Santo também teria errado, mandando Paulo e Silas para a Macedônia, quando nem ainda a cidade deles estava evangelizada. E assim, o evangelho não deveria ter saído nem mesmo de Jerusalém.


Que tragédia!!! Não tem dinheiro! É o que logo falam! O bolso é a parte mais sensível. A falta de dinheiro para missões é justificável: ‘É necessário colocar um piso de mármore na igreja... é necessário ter um telefone celular dentro do templo... é preciso pagar vários cantores para o povo aplaudir nos cultos... as despesas com majestosas festas mensais são altas... as excursões turísticas custam caro...’ e assim, a lista de despesas segue-se parecendo mais é com a lista telefônica. Tem-se dinheiro para tudo, menos missões.


Quando Jesus Cristo vier arrebatar a Igreja, os bens materiais vão ficar tudo por aí... e quem tiver com seu tesouro na terra, se não vigiar, vai ficar junto com ele: ‘pois onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração’ (Lc 12.34).


A situação de quem ignora a obra missionária é puramente de erro: ‘Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus’ (Mt 22.29).


A rigor - o único motivo existente numa igreja local para não se fazer missões é este: seus líderes estão desviados da obra que está no coração de Deus, não tendo amor pela mesma. Não é por falta de dinheiro, não é por falta de nada. A única coisa que deve estar faltando é vergonha... e muita mesmo!


Se você é líder de alguma congregação cristã que se identifique com alguma característica que citamos, não é nossa intenção ofendê-lo. Concordamos que a casa de Deus deve ser bem zelada, transmitindo um aspecto agradável a todos na sociedade e suprida utilmente com o que houver de melhor. É uma dádiva que Deus nos dá, poder desfrutar de suas bênçãos.


O texto é dirigido a todos os líderes de igrejas que arrecadam grandes valores em dinheiro, possuem um considerável patrimônio, gastam em empreendimentos faraônicos - mas não são capazes de destinar um único centavo para a causa maior: a obra missionária mundial - sob o pretexto de não possuírem condições financeiras para tal coisa....


Se a sua igreja é assim, então meu lamento. Qual tem sido o seu motivo para não fazer missões?"
Luiz Fernando R. Coutinho - Editor do Jornal Paixão pelas Almas

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

ISSO FOI POR MIM E POR VOCÊ!

ISAIAS 53.4,5
Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; contudo, nós o consideramos como aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniquidades, o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.
PENSE NISTO!


domingo, 11 de outubro de 2009

MOTIVOS DE ORAÇÃO PELA INDIA

PERSEGUIÇÃO À IGREJA NA INDIA

VOCÊ SABIA?



Quase um quarto da população mundial é muçulmana

Fonte: Missão Portas Abertas


Quase um quarto da população mundial é muçulmana, segundo estudo do Pew Center realizado em mais de 200 países e publicado nesta quinta-feira (8).


A pesquisa mostra que 1,5 bilhão de pessoas no mundo são muçulmanas, cifra que representa 23% da população mundial, estimada em 6,8 bilhões de pessoas.


O estudo do Pew Center, um prestigioso grupo de estudiosos radicados em Washington, indica que a maior concentração de muçulmanos está na Ásia, onde reside mais de 60% deles.


Outros 20% se encontram no Oriente Médio e o restante distribuídos em todo o globo.


Na África, a população muçulmana não é tão grande como se pensava. Vivem ali 240 milhões de seguidores do Islã, ou cerca de 15% de todos os muçulmanos do mundo.


No Brasil, a Federação Islâmica Brasileira estima que, EM 2005, cerca de 1,5 milhão de muçulmanos viviam no país.


A pesquisa indica, por exemplo, que na Índia, que é un país de maioria hindu, residem mais muçulmanos que em qualquer outro país, com exceção da Indonésia e do Paquistão, e tem mais que o dobro de seguidores do Islã que outros lugares como o Egito.


Na China há mais muçulmanos que na Síria, na Alemanha há mais que no Líbano, e na Rússia, vivem mais muçulmanos que no Líbano e na Jordânia juntos.


Segundo a pesquisa, mais de 300 milhões de muçulmanos vivem em países onde o islamismo não é a religião majoritária.


A maioria da população muçulmana é composta de sunitas - cerca de 90% - e o restante - aproximadamente 10% - é de xiitas.


Em 2008, os católicos deixaram a primeira posição na classificação das religiões perdendo para os muçulmanos.


Um total de 17,4% da população mundial era católica naquele ano, contra 19,2% que era muçulmana. No entanto, quando se somam todos os cristãos (católicos, ortodoxos, anglicanos e protestantes) a porcentagem alcançava 33% da população mundial.


sexta-feira, 9 de outubro de 2009

CRESCIMENTO DO ISLAMISMO NO BRASIL

Muçulmanos- Urgente!

Talvez alguns já tenham lido este texto que é conteúdo de um e-mail recebido, desculpe-me por estar divulgando-o. Mas é importante que o maior número possível de pessoas tenham conhecimento da realidade do islamismo no Brasil. OREMOS.

(Irmaos Queridos, recebi esta carta nesta madrugada. Depois de verificar meus e-mails, fui descansar pois tenho discipulado as 6 horas, não conseguia dormir, perdi o sono e fiquei muito inquieto. Orei, porem meu coração não teve paz e fui tomado porum forte impulso para levantar e ver os e-mails novamente. Levantei-me e encontrei esse e-mail que estou repassando a vocês. Precisamos entrar nessa batalha com oração e jejum pra valer, mande para todos que você conhece, é muito importante. Deus o abençoe ricamente, firmes na batalha pelo evangelho. Pr. Josué Martins)


Pr. Eli Fernandes de Oliveira

Estive, dias atrás, na Turquia, acompanhado do Pr Walmir Vargas, Ministro de Educação Cristã da LIBER. Em Istambul, unimo-nos a uma caravana de 45 membros da Igreja Palavra Viva, liderada por seu pastor e meu querido amigo, Lamartine Posella, conhecido líder evangélico no Brasil. Visitamos as cidades das sete igrejas do Apocalipse, depois do que voltamos para o Brasil em vôo da Turkiesh Airlines, Istambul/São Paulo, com escala em Dakar, capital do Senegal. Assentou-me ao meu lado um jovem universitário senegalês, muçulmano, El Hadí, com 26 anos, muito educado. Orei ao Senhor e, percebendo que ele falava também inglês, abordei-o acerca de Jesus. El Hadí ouviu-me atentamente, também formulou algumas perguntas interessantes, e até aceitou orar comigo, erguendo suas mãos como eu, repetindo as palavras à medida em que eu orava. Pedi que Jesus Cristo entrasse no seu coração e o ajudasse em sua compreensão espiritual.

Qual não foi minha surpresa quando um homem barbudo, de sorriso estranho, maldoso, com veste e turbante brancos, veio à nossa poltrona, dizendo que ouvira nossa conversa. Dirigindo-se ao jovem senegalês, perguntou-lhe: “Por que você, muçulmano, está ouvindo as palavras desse cristão que o quer converter? Você é quem deveria lhe falar de Maomé”. Aquele lugar foi tomado de uma forte opressão. A cada palavra que eu ministrava sobre Jesus, o único Senhor e Salvador, aquele homem desprezava-O, ressaltando o nome de Maomé, sempre em tom arrogante e agressivo.

Quando lhe perguntei se desceria no Senegal, disse-me que estava indo para São Paulo. Mostrou-me umas anotações, nas quais estava escrito: Santo Amaro, de 9 a 11. Ainda falou-me o que aconteceria no bairro de Santo Amaro: um encontro de líderes muçulmanos de todo o mundo, para planejar a conversão da América do Sul para o islamismo. “O Brasil será de Maomé em breve, a Europa também logo será muçulmana”. “O cristianismo está para se acabar e o mundo será islâmico”. E repetiu: “Maomé é o Profeta de Deus! Noé, Abraão, Moisés e Jesus foram profetas, mas Maomé é o maior, o último e o mais importante”.

Enquanto o enfrentava, os evangélicos no avião davam-me cobertura espirirtual, percebendo a luta e orando com fervor. Deus concedeu-me, por seu poder, a firmeza e a autoridade espiritual para encarar aquele agente de satanás. Após reafirmar-lhe que, um dia, diante de Jesus. “ todo joelho se dobrará e toda lingua confessará que Jesus é o Senhor, para a Glória de Deus Pai” e de assegurar que Jesus “é o único caminho, verdade e vida, e que ninguém vai ao Pai, senão por Ele”, encerrei aquela tensa conversa, ordenando-lhe que se afastasse. Aquele homem bateu em retirada diante da autoridade com que Deus me investira para o enfrentamento firme, e por minha inabalável convicção acerca de Jesus.

Assentado com meu amigo e colega Lamartine, e em espírito de oração, resolvemos que, ao chegar a São Paulo, quando fôssemos retirar nossas bagagens, abordaríamos aquele líder muçulmano, declarando-lhe que o Brasil é de Jesus Cristo! E que Deus fecharia as portas para a ação evangelizadora muçulmana em nosso país.

Ontem, dia 06, tive a oportunidade de pregar na PIB de São Paulo, pela manhã, na reunião dos pastores das igrejas batistas do centro, na qual também estavam presentes 4 obreiros da Missão junto aos árabes. Ali tomei conhecimento da magnitude do Congresso Islâmico e da presença maciça de líderes de vários países do mundo, nos dias 9 a 12 de outubro. O quadro ficou completo: Entendi que Deus nos permitiu o enfrentamento do lider muçulmano, fanático, naquele vôo, a fim de que nós cristãos obtivéssemos dele mesmo as informações privilegiadas da mega operação que vai acontecer em Santo Amaro, um verdadeiro circo armado para discutir estratégias e liberar muito petrodólar, de forma a, segundo ele, converter o Brasil e o mundo à fé islâmica. Não fosse assim, dificilmente saberíamos de tudo, com tanta antecipação.

Mas, agora, o que fazer? O que Deus quer de nós? Sei que podemos subestimar o poder do inimigo usando chavões inconsequentes, corriqueiros! Volto às circunstâncias em que se deu aquele episódio: A ira do kuaitiano ao me ouvir evangelizando um muçulmano senegalês durante o vôo de regresso ao Brasil. A Bíblia dá-nos conta de que os crentes daquelas sete igrejas se descuidaram, um dia, do padrão do Senhor, não deram ouvido às advertências a elas dirigidas pelo Cristo ressurreto, e foram derrotados, banidas totalmente! E hoje, 99% dos moradores daquele país, a Turquia, são muçulmanos! Deu para entender? Lá fomos derrotados mesmo!

À vista destes acontecimentos, quero conclamá-los a que nos unamos, neste momento, em fervorosas orações. Apelo-lhes a que reconheçam as razões pelas quais o cristianismo foi derrotado nas 7 igrejas. Arrependamo-nos e voltemos a uma vida de santidade e de compromisso única e absolutamente com Jesus, com as Escrituras e com Sua Igreja, para que a derrota não se repita mais! O recado do Apocalipse continua sendo o mesmo para nós, hoje: “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas”!

Fomos derrotados quando perdemos o primeiro amor (Ap 2.4); quando não fomos fieis até a morte (Ap 2.10); quando permitimos heresias em nosso meio (Ap 2.14,15); quando deixamos de ser como Jesus (Ap.2.20); quando matamos nossa vida espiritual (Ap. 3.1); quando não retivemos as bênçãos recebidas (Ap. 3.11); quando nos permitimos permanecer sob o jugo de dois senhores (Ap.3.15,16).

O muçulmano El Hadí desceu em Dakar, deixando-me seus telefones, e-mail, facebook e orkut, pedindo que eu não me esquecesse dele, e convidou-me a ir ao Senegal, hospedando-me em sua casa.

O fanático e agressivo Kuaitiano está agora aqui em São Paulo, ultimando os preparativos para a sua ofensiva islâmica, com outras centenas de lideres do mundo, para converter o Brasil e a América do Sul a Maomé.

Lá, na Turquia, terra do apóstolo Paulo e onde foi pastor, em Éfeso por cerca de dois anos e meio, onde João também exerceu profícuo pastorado – é repetido constantemente pelos guias turísticos que quando João chegou em Filadélfia a cidade inteira se converteu – , onde também Policarpo foi pastor na Igreja de Esmirna. Sim, lá na Turquia eles mataram nossos profetas, nossos homens de Deus e nos expulsaram violentamente daquele País. Após a conquista de Constantinopla, o País inteiro se “converteu” à força ao Islamismo, e os cristãos se retiraram cabisbaixos, derrotados. Será que vamos permitir que esse desastre novamente venha se repetir, e agora em nossa amada terra e continente? Muçulmanos? Em nome de Jesus outra vez NÃO! Para que sejamos vitoriosos contra esta investida de Satanás devemos pagar o preço, conforme está dito em II Crônicas 7.14:

“SE MEU POVO QUE SE CHAMA PELO MEU NOME ORAR, BUSCAR A MINHA FACE E SE CONVERTER DE SEUS MAUS CAMINHOS, ENTÃO EU OUVIREI DOS CÉUS, PERDOAREI OS SEUS PECADOS E SARAREI A SUA TERRA!”

Coloquemo-nos, pois, de joelhos, jejuemos, oremos a nosso Deus e Ele nos ouvirá, certamente, e o Brasil será de Jesus, até sua volta! Esse é tempo de oração, de batalha espiritual! Estejamos em oração de 9 a 12 de Outubro. Ore e divulgue essa matéria a todos os seus amigos e àqueles que fazem parte de seus grupos de e-mails. Resistamos em oração! para a glória de Deus.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

CHAMADOS PARA ANUNCIAR O EVANGELHO

“Certa mulher, chamada Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, e que servia a Deus, nos ouvia, e o Senhor lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia”. (Atos 16:14)
A evangelização é uma ordem expressa e é uma tarefa inacabada. Por isso mesmo, cometida a cada geração. A pregação do Evangelho do Reino é uma das formas, e a principal, para se apressar a volta gloriosa do Senhor Jesus, para o arrebatamento da igreja e implantação definitiva do Reino de Deus, o novo céu e a nova terra, nas quais habitarão a paz, a justiça e o amor. O texto bíblico de hoje é o da história da Igreja de Cristo na era Apostólica, envolve personagens conhecidos como Paulo, Silas e Lídia, a primeira mulher convertida na Europa, onde aprendemos, com clareza, algumas lições, das quais destacamos:

I. O Espírito Santo direciona as obras de evangelização e plantação de Igrejas:

Você que é ou deve ser leitor atento das Sagradas Letras, seguramente já percebeu que o Espírito de Jesus não permitiu a Paulo pregar na Ásia, nem tão pouco na Bitínia, pois o plano de Deus era outro. Paulo sendo um homem de Deus, também foi obediente à visão celestial e, assim Deus abençoou o seu ministério: pois no ministério, tanto a visão quanto o chamado vêem de Deus.

II. A visão e o Chamado vêm de Deus:

Referimo-nos à visão de Trôade, que veio a Paulo, de noite, da parte do Senhor. O que ele viu e ouviu você também pode ouvir: “Passa a Macedônia e ajuda-nos!”. Assim que teve a visão, Paulo concluiu que Deus o chamava para pregar o Evangelho e obedecendo, partiu para aquele destino. Cremos firmemente, que o ministério só pode ser bem-sucedido quando guiado pelo Espírito Santo. É Deus quem opera e o homem coopera. Outro ponto fundamental é ter uma consciência vertical do chamado de Deus; chamando este confirmado pela igreja, pela comunidade dos eleitos. Claro está que Visão e Chamado vêm de Deus e são confirmados pela comunidade dos salvos.

III. Nós pregamos, mas quem convence e converte é o Espírito Santo:

Esta é uma verdade consoladora, a nossa parte é lançar a preciosa semente: pregar, de forma clara e culturalmente relevante, que seja por todos entendida a fim de que possam responder ao SIM de Deus. Semear e regar são obras do homem; germinar, crescer, florir e frutificar é obra de Deus. Quando fazemos bem o que Deus quer da nossa parte o Espírito Santo nunca falhará no que dEle depende. Nós pregamos, mas quem converte é o Espírito. E tudo o que Deus faz dura eternamente.

IV. A Igreja em sua Casa:

Lídia, ao ter o seu coração por Deus aberto, foi convertida: submeteu-se ao juízo da igreja, “se julgais que sou fiel ao Senhor, entrai em minha casa e aí ficai. E nos constrangeu a isso” (Atos 16:15). Abrir o coração para Jesus e a casa para a igreja trazem bênçãos maravilhosas. Cada crente nascido de novo, é um evangelista. “Quem não evangeliza, termina evangelizado por alguma heresia por aí; quem não é um missionário, transforma-se em campo missionário”.

Quando alguém se torna parte do “povo de Deus”, há muito mais coisas em jogo do que simplesmente atender a um apelo, ir à frente, queimar velhos objetos de idolatria ou começar a participar do culto público. O nosso entendimento de conversão, nesse sentido, é a transformação dos que eram “não-povo” em povo ministrador de Deus, o corpo de Cristo que age, participa e serve (I Pedro 2:10). É uma conversão de egoísmo do egocentrismo, da servidão ao domínio das trevas para o amor ágape, para o discipulado e para o serviço a Jesus Cristo. Essa conversão parte da decisão por meio de um processo de discipulado. O discípulo buscando ministrar em nome de Cristo como seguidor de Jesus. Aliás, poder-se-ia defender que a conversão plena, no sentido bíblico, é um processo tríplice que implica:

1. A conversão a Deus em Jesus Cristo;
2. A conversão a Igreja, o corpo de Cristo;
3. A conversão ao ministério no mundo pelo qual Cristo morreu.

O Senhor ordena que a sua comunidade especial de discípulos vá como testemunha, a Jerusalém, a Judéia, a Samaria e aos confins da terra (Atos 1:8).

Que o Senhor soberano nos abençoe no cumprir tão relevante tarefa.