"“Muitos crentes consagrados jamais atingiram os campos missionários com seus próprios pés mas poderão alcança-los com seus joelhos” (Adoniran Judson)”"

terça-feira, 24 de novembro de 2009

A RESPONSABILIDADE ÉTICA DA IGREJA NA OBRA MISSIONÁRIA



OS EXCERTOS ABAIXO FORAM EXTRAÍDOS DA MENSAGEM APRESENTADA PELO PASTOR EDSON QUEIRÓZ, NO 1º CONGRESSO BRASILEIRO DE MISSÕES, REALIZADO EM CAXAMBU, MINAS GERAIS NO ANO DE 1993. E ESTÃO PUBLICADOS NO LIVRO “AOS QUE AINDA NÃO OUVIRAM” Desafios Missionários rumo ao século XXI da Editora Sepal.

PARTE II

Meus irmãos, este é o ponto onde nós, como Igreja brasileira temos que tomar uma decisão bem séria. Nós estamos começando a fazer Missões e, neste caso, devemos começar de maneira correta.
Em primeiro lugar, há alguns pecados que nós precisamos confessar. E aqui está o primeiro pecado.

Precisamos colocar as prioridades em ordem correta. De acordo com a Bíblia, Missão deve ocupar o primeiro lugar da Igreja. A Igreja existe para fazer a obra missionária. Tudo que se faz na Igreja tem que ser dirigido para a obra de Missões. Um pastor disse tempos atrás: “Pr. Edson, parece que na sua igreja só tem Missões”. E eu falei: “É isso mesmo, na minha igreja só tem Missões!”. Para você ter uma idéia, nós temos um coral na igreja. Mas é um “coral missionário”. Uma vez por mês nosso coral está proibido de cantar na igreja. Sabe, então, onde ele vai cantar? No hospital. Acabam de cantar, entram em cada quarto, fazem uma oração, dão uma palavra de conforto e saem. E Deus está salvando famílias porque o coral está indo cantar lá. Não é coral de ficar cantando só na igreja! Você pode pensar: “Na igreja do Pr. Edison, pelo jeito, não tem ensino bíblico”. Tem sim! Tem ensino sério. Trabalhamos com famílias, queremos ver as nossas famílias bem estruturadas: o marido dirigindo o seu lar; a esposa sabendo o seu papel, no casamento; ambos dando uma educação correta para os filhos; boa administração das finanças no lar... Temos tudo isto. Mas sabem porque? Não é para os crentes se sentirem confortáveis e contentes, não; é para que os sejam missionários. Tudo o que fazemos na igreja é equipar, é capacitar o crente, para que ele seja uma benção; para que ele possa reproduzir-se espiritualmente. Prioridades na ordem correta.


Irmãos, eu tenho visto igrejas nas quais as prioridades são deveras interessantes. As prioridades são as togas do coral. Ninguém podia mexer, nas tais togas, porque gastaram um dinheirão para fazê-las e ali estavam – intocáveis! Em algumas igrejas, a prioridade é a construção. Vamos construir um templo. Em algumas igrejas, a prioridade é fazer algumas festinhas – ah, então o problema passa a ser o aparelho de som. Meus irmãos, eu creio que nós devemos ver o que a Palavra de Deus nos ensina.

Nós temos que confessar o pecado de falta de apoio àqueles que recebem a chamada missionária. E aqui, meus irmãos, eu me incluo aos meus colegas pastores esta noite. Eu creio que, nós pastores, temos de nos arrepender de não estarmos dando o apoio que os nossos missionários necessitam. Na nossa última conferência missionária irmãos, eu ouvi o testemunho de uma missionária brasileira, aqui do Rio de Janeiro. Irmãos, esta moça foi à África como missionária. Sabe quem pagou a passagem dela: Um árabe, muçulmano. Sabe quem deu a mala para ela fazer a viagem? Uma prostituta. Sabe quem ajudou a pagar a sua passagem: a irmã dela, que faz tráfico de drogas. Essa moça mora numa favela no Rio de Janeiro. Eu lhes perguntei: “E a sua igreja o que fez?”. Ela disse que a igreja dela é daquelas que tiram uma, duas, três, um monte de ofertas. E o pastor, no final do culto, deu para ela aquela cestinha de colocar ofertas e disse: “Fica lá na frente”, depois, voltando-se para a igreja: “Irmãos, agora, depois que eu der o “Amém”, quem sentir o desejo venha dar uma oferta para a nossa missionária”. E ainda teve a coragem de falar “nossa missionária”! A moça disse que ficou segurando, ali na frente da igreja, aquela cestinha e que, até hoje, tem trauma de ouvir o tilintar de moedinhas caindo... Mas porque Deus misericordioso, esta moça foi. Sabe o que fiz naquela conferência: Quando ela acabou de dar o testemunho, eu disse: “Irmãos, eu, como pastor, estou arrependido e quero confessar o pecado da Igreja brasileira. Eu quero convocar os pastores presentes para virem aqui à frente ajoelhar-se comigo e pedir perdão a Deus. Nós tivemos um momento de confissão de pastores, naquela conferência missionária. Meus irmãos, são pecados sérios! Querido pastor, se Deus está levantando algum jovem, um casal, alguém da sua igreja para o campo missionário, o apóie, ore com ele, ajude a dar orientação, busque informações, ajude de alguma maneira. Faça algo, mas seja responsável por aquilo que o Espírito Santo está fazendo na igreja em que você foi colocado como responsável.

Igreja levantando dinheiro para Missões e aplicando em outras áreas. Irmãos, eu tenho ouvido de pastores, aqui no Brasil, que têm feito isto. Fazem uma campanha missionária, levantam o dinheiro, e depois vão comprar telhado, parede, janela, forro, um montão de outras coisas. Isto é pecado e terão de dar conta diante de Deus por causa disto.

Igreja prometendo sustento e abandonando o missionário no campo. Eu recebi uma informação, no congresso do COMHINA, de que tem um casal latino-americano, no Norte da África, que está voltando porque a igreja disse que ia sustentá-los e nunca lhes mandou um único centavo, mesmo sabendo que o casal estava lá ao ponto de passar fome! (...)

Igrejas e agências dando um sustento indigno para o missionário. Irmãos tenho ouvido falar de missionários nossos vivendo na miséria. Estive outro dia num país da África e um irmão me disse: “Pastor Edison gostaria de compartilhar com o irmão uma coisa”. “O que há irmão?” Olha aquele missionário nunca me falou nada, nunca me pediu para dizer nada, mas eu estive reparando na situação dele e sei que ele está passando necessidade. Será que da para o irmão fazer alguma coisa?”O que eu fiz, ao chegar ao Brasil fui procurar informações para tentar ajudar e fazer alguma coisa PR aquele moço. Irmãos se vamos mandar missionários vamos acertar as coisas. Ou mandamos o missionário em condições de dignidade ou, então, é melhor não mandarmos. Este negócio de falar. “Ah, Deus vai sustentar...”, eu não tenho dúvidas que Deus vai mesmo. Mas Ele usa vidas e quer dar a mim, e a você, o privilégio e a honra, como Igreja, de sustentarmos nossos missionários no campo.

Missionários vivendo fora do estilo do povo, acima ou abaixo do nível. É interessante isto. Eu vejo às vezes alguns missionários que estão vivendo acima do nível do povo onde estão inseridos. Está errado! O missionário tem que se adaptar a outra cultura. Por outro lado, eu vejo alguns missionários vivendo tão abaixo do nível do povo que não dá para alcançar o povo com a mensagem do Evangelho. A Igreja tem que analisar direitinho como é que vai sustentar o seu missionário dignamente no campo.

Meus irmãos precisamos aprender com estes erros, consertar as coisas erradas e, neste início, já começarmos com propósitos sérios na obra missionária.

Mas voltando ao livro de Josué (Js 1.1-9), ele não sabia exatamente o que fazer e talvez você, pastor, líder de igreja, esteja aqui e não saiba também exatamente o que fazer. Então eu quero ler esta palavra aqui para nós como Igreja. Deus está dizendo isto: (verso 5) “Ninguém te poderá resistir” todos s dias da tua vida...” e vejam bem “...como fui com Moisés assim serei contigo”. Aleluia!... como fui com Moisés, assim serei contigo”. Deus está dizendo: “Igreja brasileira, assim como eu fui com Moisés, assim como eu abri o Mar Vermelho, assim como eu levei o povo para a terra prometida, eu serei convosco, eu estarei convosco, eu abençoarei, eu dirigirei, eu serei convosco, eu estarei convosco, eu abençoarei, eu dirigirei, eu capacitarei, eu usarei esta Igreja para que o mundo receba a minha glória. Não te mandei eu?” (verso 9) “Esforça-te e tem bom ânimo, não te atemorize, nem te espantes, porque o Senhor Teu Deus está contigo por onde quer que andares”. Meus irmãos, Deus está chamando a Igreja brasileira a assumir uma séria responsabilidade e a avançar no campo. Eu creio piamente que Deus vai usar poderosamente a Igreja brasileira para levar o Reino e a glória de Deus a diversas nações. Por isto precisamos nos unir, preparar, treinar, aprender, planejar, e sairmos ao campo para fazermos a obra de Deus.

Um comentário:

Anônimo disse...

qual a igreja que esta fazendo esse tipo de trabalho?