"“Muitos crentes consagrados jamais atingiram os campos missionários com seus próprios pés mas poderão alcança-los com seus joelhos” (Adoniran Judson)”"

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

O PAPEL DO MISSIONÁRIO NA OBRA DE MISSÕES




INTRODUÇÃO
Todos entendemos que a obra de Missões Mundiais é uma obra de equipe. Não é feita isoladamente, mas é uma obra onde muitos são os que colaboram para a sua realização.
O autor e arquiteto é Deus, mas muitos são os que ele chama e desperta para a realização de tão magna obra. A uns desperta para o sustento: as igrejas patrocinadoras. Os missionários, os executores, que, vocacionados e despertados ante as necessidades de um mundo sem Cristo, são preparados e enviados aos campos de missões. Assim se faz a obra de Missões Mundiais. Neste texto, queremos destacar e analisar o papel do missionário nessa obra de equipe.

QUEM É O MISSIONÁRIO
O missionário é aquele que sentiu a chamada divina, chamada para ir e anunciar a mensagem de salvação a outros povos e que responde afirmativamente em obediência a este chamado. É um mensageiro divino. Um embaixador de Cristo em outras terras.

É um íntimo de Deus
É alguém cuja dependência de Deus deve ser total, buscando diariamente conhecer a sua vontade para a realização dessa obra. Necessita, a exemplo de Moisés, subir o Sinai e estar cara a cara com o Senhor de Missões, para, ao descer, resplandecer a glória de Deus entre o povo que deve conduzir a Terra Prometida.

É Aquele Que Renúncia
O missionário aprende a renunciar a tudo que Deus lhe pede para deixar a sua terra e a sua parentela, como Abraão deixou. O missionário coloca os seus interesses ou sentimentos diante da chamada e vocação missionária. Ele deixa tudo para servir ao Rei dos reis em lugares distantes e difíceis.

AS DIFICULDADES NO CAMPO
Falar de dificuldades para os missionários se torna redundante, pois elas começam no momento mesmo em que chegam ao campo.
A Adaptação
A primeira das grandes dificuldades é a adaptação, especialmente da família: encontrar em casa, fazer novas amizades, novos amigos, adaptar-se aos costumes alimentares. O problema escolar dos filhos também não deixa de ser preocupante. Na maioria dos países o currículo é totalmente diferente e os filhos perdem pelo menos um ano escolar.

Dificuldade do Idioma
Esta é uma das maiores barreiras que enfrenta o missionário ao chegar ao campo. Necessita comunicar-se e nem sempre isto é possível. O ideal seria que o missionário tivesse pelo menos seis meses para o aprendizado do idioma. A barreira da comunicação é tremenda, pois sabemos que é vital para o êxito da missão de proclamação do evangelho.

Dificuldade Cultural
Cada povo tem seus costumes e tradições, sua própria cultura. O missionário, ao chegar ao campo, depara-se com uma cultura diferente da sua, mas ele deve saber respeitar e adaptar-se à cultura do povo para o qual Deus o chamou. Existem, por outro lado, tradições milenares que o missionário enfrenta, como no caso da África, onde a mulher ainda é propriedade do homem, que a compra, e se ela não satisfaz às exigências inerentes à sua cultura, como a procriação e o trabalho no campo, é devolvida ao pai, que, por sua vez, devolve ao marido o que recebeu por ela, especialmente no caso de a mulher ser estéril. Também o aspecto da poligamia é sério, pois ao homem é permitido ter tantas mulheres quantas possa comprar. No conceito deles, a poligamia não é pecado, vem desde o começo dessa cultura.
O missionário enfrentará esse tipo de problema quando pregar o evangelho e os homens se converterem. O missionário necessita estar preparado para enfrentar essas dificuldades em seu campo missionário. Dificuldades similares encontram-se aqui mesmo na América do Sul trabalhando entre povos indígenas.

Dificuldades Climáticas
Vivemos em um país tropical, abençoado por Deus, como diz o poeta popular, e como missionário enfrentamos climas adversos ao nosso. Em geral, climas de frio rigoroso, como os da Europa e de parte da América do Sul, sem falar nos climas super úmidos de alguns países de África.

Dificuldade do Relacionamento
O relacionamento com os líderes nacionais das igrejas é por vezes muito dificil para o missionário, não de sua parte, mas da parte dos nacionais, que sempre vêem o missionário como um estrangeiro ou intruso em sua terra. Alguns afirmam que o missionário só vem tomar o lugar deles no pastorado das igrejas, ou em cargos na denominação. Em alguns países, inclusive, não permitem aos missionários ter cargos denominacionais. Felizmente isso acontece em poucos países. Por outro lado, existem aqueles lideres que nos amam nos apóiam, e isso é altamente recompensador, e nos anima a prosseguir sempre com fé e esperança de vermos em nossos campos missionários, igrejas e denominações fortes e evangelísticas.

Solidão
Em geral esta dificuldade vem depois dos primeiros anos no campo missionário: é a saudade dos cultos vibrantes das igrejas no Brasil, a falta de ouvir inspirados coros e cada domingo; a saudade da família, tanto a espiritual como a família de sangue; e aí vêm os momentos de solidão, também da falta de notícias do país, da família e dos amigos, e tantas outras coisas, que nos fazem sentir o desejo de estarmos de Nov em nossa terra. Mas a voz daquele que nos chamou soa mais forte, e a dificuldade é superada.

3 comentários:

cassia nascimento disse...

verdade irmao parabens pelo o desmpenho! Tou pesquisando tudo sobre missoes!! Facebook Cassia Nascimento

Anônimo disse...

O trabalho de missões é maravilhoso.Que Deus possa abençoar esses homens e mulheres de Deus que se dispõe a fazer a obra.E que o Espírito Santo possa levantar pessoas para patrocinar as missões de todos os ministérios.

Anônimo disse...

Graça e paz.
Que Deus continue abençoando sua vida pela iniciativa de colocar a disposição um assunto de suma importância, tão nobre.
Há 11 anos que sirvo ao Senhor no campo missionário.
Atualmente, junto com a minha família estamos em Guiné Bissau.
Que vidas possam ser tocadas e que possam colocar a disposição do Senhor da Seara, tanto para ir como para segurar as cordas, através da oração e recursos financeiros.
Deus ku bo!