"“Muitos crentes consagrados jamais atingiram os campos missionários com seus próprios pés mas poderão alcança-los com seus joelhos” (Adoniran Judson)”"

sábado, 6 de agosto de 2011

PAIXÃO PELA VIDA MISSIONÁRIA


Olhos azuis - Amy Carmichael

Essa é a história verídica da menina indiana que iria ter olhos azuis. A História de Emy ou Amy Carmichael. Ela é autora do texto que corre pela web como autor desconhecido.

Amy Carmichael nasceu numa pequena vila na Irlanda do Norte. Era a mais velha dos sete filhos de David e Catherine Carmichael, um casal de presbiterianos devotos. Era uma candidata improvável para o trabalho missionário, pois sofria de neuralgia, uma doença dos nervos que lhe tornava o corpo fraco, dorido e que a deixava de cama semanas a fio.

Foi na convenção de Keswick em 1887 que ouviu Hudson Taylor falar acerca da vida missionária. Pouco depois se convenceu do seu chamamento. Segundo um relato biográfico dos seus primeiros anos de vida, Amy desejava ter olhos azuis em vez de castanhos.

Ela pedia a Deus que lhe mudasse a cor dos olhos e ficava desapontada por isso nunca acontecer. Contudo, em adulta, Amy compreendeu que, como os indianos têm os olhos castanhos, ela iria ser aceite mais facilmente do que se tivessem olhos azuis e aceitou isto como um sinal de Deus.

Inicialmente Amy viajou para o Japão durante 15 meses, mas mais tarde, descobriu que a vocação da sua vida estava na Índia. Ela foi comissionada pela “Missão Zenana da Igreja de Inglaterra". Muito do seu trabalho foi com raparigas jovens, algumas das quais foram salvas da prostituição forçada. A organização por ela fundada era conhecida por “Dohnavur Fellowship”.

Dohnavur fica situada em Tamil Nadu, a sul da Índia. A “Fellowship” iria tornar-se um santuário para mais de mil crianças que de outra forma teriam de enfrentar um futuro incerto. Num esforço para respeitar aquela cultura asiática, membros da organização usavam trajes indianos e as crianças foram-lhes dados nomes nativos.

Ela própria vestia-se dessa forma, pintava a pele com café e frequentemente viajava longas distâncias nas quentes e poeirentas estradas Índia só para salvar uma criança. O trabalho de Amy Carmichael também se estendeu à imprensa. Ela foi uma escritora prolífera com 35 livros publicados.

O mais conhecido é talvez um dos primeiros relatos históricos sobre a “Missão na Índia” publicada em 1903. Em 1931, Amy ficou gravemente ferida numa queda que a deixou de cama até morrer.
Amy Carmichael morreu na Índia em 1951 com 83 anos de idade. Ela pediu para não porem nenhuma pedra tumular na sua campa; em vez disso as crianças que ela tanto amava puseram algo com a inscrição “Amma”, que significa mãe em Tamil, um dialeto indiano.

Enquanto servia na Índia Amy recebeu uma carta de uma jovem que queria ser missionária e que perguntava como era exercer essa função. Amy respondeu: “A vida missionária é simplesmente uma forma de morrer”. “Podes dar sem amar, mas não podes amar sem dar.”

Amy Carmichael
*************
OLHOS AZUIS
Amy Carmichael


Emy era uma linda menina de três aninhos de idade. Ela morava em algum lugar dos EUA, em frente ao mar. Sua família era cristã. Eles iam todos os domingos à igreja e realizavam o culto doméstico... Emy era muito feliz! Ela amava sua família e admirava os olhos azuis de seu pai, sua mãe e seus irmãos...

Todos na casa de Emy tinham olhos azuis... Todos... Menos... Emy! O sonho de Emy era ter olhos azuis como o mar...
Ah! Como Emy desejava isso! Um dia, na escola dominical, ouviu a "tia" dizer: "Deus Responde A Todas As Orações!

Emy passou o dia todo pensando nisso... À noite, na hora de dormir, ajoelhou ao lado da sua cama e orou:
-Papai do Céu, muito obrigada porque você criou o mar que é tão bonito! Muito obrigada pela minha família. Muito obrigada pela minha vida! Gosto muito de todas as coisas que você fez e faz! Mas... gostaria de pedir... por favor... quando eu acordar amanhã, quero ter olhos azuis como os da mamãe! Em nome de Jesus, amém.

Ela teve fé. A fé pura e verdadeira de uma criança. E, ao acordar, no dia seguinte, correu para o espelho. Olhou... E qual era a cor de seus olhos?... Continuavam Castanhos!

Por que Deus não ouviu Emy?
Por que não atendeu ao seu pedido?
Isso teria fortalecido sua fé?

Bem... Naquele dia, Emy aprendeu que um NÃO também era resposta!
A menininha agradeceu a Deus do mesmo modo... Mas... Não entendia... Só confiava.

Anos depois, Emy foi ser missionária na Índia. Ela "comprava crianças para Deus" (as crianças eram vendidas por suas famílias - que passavam fome – para serem sacrificadas no templo, e Emy as "comprava" para libertá-las desse sacrifício).

Mas, para poder entrar nos "templos" da Índia, sem ser reconhecida como estrangeira, precisou se disfarçar de indiana:
Passou pó de café na pele, cobriu os cabelos, se vestiu como as mulheres do local e entrava livremente nos locais de venda de crianças.

Emy podia caminhar tranqüila em todo "mercado infantil", pois aparentava ser uma indiana. Um dia, uma amiga missionária olhou para ela disfarçada e disse:
- Puxa Emy! Você já pensou como você faria para se disfarçar se tivesse olhos claros como os de todos da sua família?
Que Deus inteligente nós servimos... Ele lhe deu olhos bem escuros, pois sabia que isso seria essencial para a missão que lhe confiaria depois!

Essa amiga não sabia o quanto Emy havia chorado na infância por não ter olhos azuis... Mas Emy pôde, enfim, entender o porquê daquele não de Deus há tantos anos!
Bem... O que eu queria dizer com essa longa e bonita história? Apenas dizer que “Deus Está No Controle De Tudo!”.

Ele conhece cada lágrima que já rolou do canto dos seus olhos... Ele sabe que, talvez, você quisesse ''olhos de outra cor''...
Ele ouve, sim, Todas as orações... Mas Ele as responde de modo sábio! Não precisa chorar se seus olhos continuam castanhos, ou se você ainda não foi atendida (o) como gostaria. “Deus Está No Controle De Tudo!”. Tenha sempre esta certeza no seu coração!

Todo autor merece ter seus direitos autorais reconhecidos. Quando repassarem o texto não esqueçam de colocar o autor de "Olhos Azuis"

(Amy Carmichel).

Um comentário:

elisabete hocihara disse...

Eu amo esta mulher, ela é um exemplo para mim e foi o meu primeiro exemplo. Me inspiro muito nela, conta-se que um ano antes de ir como missionario para o peru o pastor paul washer passou o ano anterior lendo e examinando os livros de Amy W. Carmichael. Infelizmente no brasile somente dois foram traduzidos.
Obrigado pela publicação, vou compartilha-la.