"“Muitos crentes consagrados jamais atingiram os campos missionários com seus próprios pés mas poderão alcança-los com seus joelhos” (Adoniran Judson)”"

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

MEMÓRIA MISSIONÁRIA


Pr. Teófilo Karkle
Precisamos fazer a Obra Missionária e de vez em quando fazer a Memória
Missionária, de que existimos. Pois o ditado popular que diz: Quem não é visto,
não é lembrado é verdadeiro.
O apostolo Paulo é o nosso mentor neste sentido de fazer Memória Missionária, citamos
as suas palavras exclusivas quando ele agradece pela oferta enviada pela igreja
dos Filipenses, as quais transcrevemos a seguir:
Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.
Todavia fizestes bem em tomar parte na minha aflição. (Filipenses 4.13-14)
O versículo 13 é conhecido por todos: Posso todas as coisas em Cristo que me
fortalece, mas poucos sabem do texto vizinho que vem em seguida: Todavia
fizestes bem em tomar parte na minha aflição.
Poderia escrever este Artigo Missionário, dizendo apenas que também: Posso
todas as coisas em Cristo que me fortalece isso ecoa como bonito, como
espiritual. Mas não queremos ficar apenas na admiração da tremenda fortaleza
tinha Paulo. Mas se Paulo sendo Paulo não apenas mostrou sua fortaleza, mas
também sua necessidade. Paulo sendo fabricante de tendas para gerar seus
próprios recursos, no momento de sua necessidade não ficou apenas no lindo, no
espiritual, mas sim ele disse a Igreja de Felipos: Todavia fizestes bem em
tomar parte na minha aflição, como não faremos nós que somos Missionário do
século XXI?
Gostaríamos de dizer isso à sua Igreja amado pastor: Todavia fizestes bem em
tomar parte na minha aflição. Gostaríamos de dizer isso a você estimado
internauta, estimado blogueiro: Todavia fizestes bem em tomar parte na minha
aflição.
O correto seria dizer a uma Igreja: Todavia fizestes bem em tomar parte na
minha aflição, mas quando ela esta omissa, então não temos a disposição de
dizer a esta igreja de nossas necessidades.
Deus em cada circunstancia usa pessoas, pequenas, pobres, desempregadas, para
aliviar a carga de um missionário e a eles queremos oferecer este elogio:
Todavia fizestes bem em tomar parte na minha aflição.
Muitos pastores ou muitas igrejas gostariam de ter um missionário, mas que esse
não fosse uma carga para eles. Que o missionário não precisasse de comida, de
roupa, de aluguel, de locomoção, de acesso a internet, que apenas pregasse e
que mandasse historias emocionantes e grandes resultados do seu trabalho.

Quem sabe até tenham mencionado que Deus pode usar
um corvo novamente para levar o sustento ao seu servo.
Deus poderia ter enviado um papagaio que soubesse falar ao ribeiro de Querite
onde estava refugiado o maior profeta de todos os tempos, Elias. Mas um
papagaio que soubesse falar bem e que fosse treinado para dizer: Este pão e esta
carne te mandaram as Igrejas do Sul ou do Norte, mas Deus não mandou um papagaio.
Deus poderia ter mandado um pombo correio com um filactério amarrado no seu
pescoço contendo a seguinte mensagem: Este pão e esta carne mandam o rei de
Israel, ou se fosse hoje: Este pão e esta carne te mandam o pastor da mega igreja.
Mas! Deus mandou um corvo que nem falava, nem tinha um colorido verde do
papagaio, nem a cor branca do pombo correio. Não creio que Elias o segurou o
corvo pela mão como para te-lo como companheiro, pois este tipo de ave é
indesejável à companhia do ser humano, nem mesmo o corvo se interessaria ser
amigo de homens vivos, nem de mortos, pois não comem carne em putrefação humana.
Hoje com certeza não é preciso Deus enviar os corvos novamente, pois existe
você, com faculdades, com habilidades para fazer sua obra.
Esta Memória Missionária é para fazer um cargo de consciência muito grande em
todos os leitores, principalmente para aqueles que têm desejado que Deus lhe
envie um anjo para falar com ele. Este texto eu posso dizer que é um anjo
falando contigo: Todavia fizestes bem em tomar parte na minha aflição. Estas
palavras queremos fazer bem apostólica, bem profética e dizer como dizia os
homens de Deus do Antigo Testamento: Assim diz o Senhor: Todavia fizestes bem
em tomar parte na minha aflição.
É de minha inteira responsabilidade a Missão que assumi diante de Deus de estar
no Chile, sem receber envios financeiros do Brasil. A ninguém queremos culpar
que seja assim nosso chamado, mas depois de passar quatro anos no Brasil
curando as minhas feridas, decidi voltar ao Chile e ser uma vez mais útil ao
Senhor nesta terra.
Durante catorze meses estive pregando Palavras Proféticas e Promessas, hoje eu
me dou conta que estas mais de cento e vinte pregações escritas e gravadas em
áudios, foram pregadas para mim mesmo. Eram momentos difíceis, mas nos quais minha
fé se aprofundou muito no Senhor e hoje posso fazer o que mais sei fazer, ser
pastor, baseado, inspirado em promessas da Palavra de Deus.
O texto bíblico é serio: E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos
os santos anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória; e todas as
nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor
aparta dos bodes as ovelhas; e porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à
esquerda.

Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde,
benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a
fundação do mundo; porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me
de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; estava nu, e vestistes-me; adoeci,
e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me. (Mateus25.31-36)
Perguntamos diretamente agora nesta nossa Memória Missionária onde estão nossos
conhecidos? Aqueles que pelo menos uma vez nos ouviu falar, que pelo menos uma
vez tomou na minha mão para me dar a paz, para saber deles o porquê da
distancia, o porquê do frio, o porquê da indiferença e o porquê do silencio? Ninguém
nos escreve ninguém nem nos manda nem aqueles scraps frios do Orkut, ainda que
não gosto deles. É coisa de preguiçoso mandar uma mensagem na sexta-feira
assim: Bom final de semana.
Fui ao Seminário me preparar para ser Missionário e tudo o que sei fazer hoje é
ser Missionário e com muita qualidade e com muito equilíbrio. Como não temos
sustento do Brasil, já tentamos buscar emprego aqui no Chile, mas simplesmente
Deus não permitiu assim.
O que tenho feito todas as semanas é sentar aqui diante do meu notebook e
escrever artigos como este e lançar na Internet, e tem sido uma grata
experiência de ver como de um em um, Deus tem levantado pessoas de lugares que
nem conheço para nos ajudar aqui. Como no caso de Vilma Pires, lá de Divinópolis
- MG, que tem nos ajudado com sua contribuição de amor, que tem colocado nosso
Projeto do Centro de Alegria no seu blog pessoal.
Outro exemplo digno de gloria é o caso de Sammis Reachers que criou de maneira
gratuita o Blog para o nosso Centro de Alegria e a escrito até sete vezes por
semana, enviando o link do blog para nós ver como vai ficando cada seção de
estudos, fotos, vídeo e etc. Deus te recompense amigo.
Não podemos deixar de mencionar meus amigos Alexandre Peixer de Lages - SC,
Marcos Guimarães de Natal - RN por enviar uma e outra vez doações para nós
comprar Bíblias para doar ao povo chileno.
E Deus tem nos dado algumas Mãe de Coração como a Mãe Angelina, São Sebastião -
SP que por nove anos tem mandado mês a mês sua oferta de amor e agora
ultimamente a mãe Cidinha em São Paulo tem cuidado do seu filho adotivo com
muito carinho aqui no Chile.
Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças...
(Eclesiastes 9.10)
Reparte com sete, e ainda até com oito, porque não sabes que malha verá sobre a
terra. (Eclesiastes 11.2).
Escreva-nos: centrodealegria@hotmail.co
Sigue-nos: http://centrodealegriachile.blogspot.com/
Ajude-nos: Conta Corrente 18491-8 Agencia 3078-3 Banco do Brasil


sábado, 18 de fevereiro de 2012

CONTEXTUALIZAÇÃO - UMA ABORDAGEM NA OBRA MISSIONÁRIA


Por Maura Juça Manuel

Introdução
Segundo Donald Sênior e Stuhlmueller no livro Fundamentos Bíblicos da Missão, a contextualização no seu nível mais profundo não implica numa visão de uniformidade, que requer que todas as culturas expressem o evangelho de uma única forma, o que seria impossível.

O cristianismo não é uma religião etnocêntrica. Os gentios não precisam se tornar judeus, os chineses não precisam se tornar italianos ou poloneses. A universalidade do Evangelho significa que a fé pode assumir expressões diferenciadas.

Base Bíblica
A missão mundial jamais começa do nada mas dentro de uma cultura pré-existente. Portanto, o ato missionário prescinde uma disposição de identificação com a cultura do povo com o qual se vai trabalhar.

O interesse de Deus por Missões

Missões se baseia na disposição de Deus em ocupar-se com a situação complicada da vida humana não somente enquanto formado de acordo com a sua cultura e valores, mas também enquanto um povo deformado pelo pecado.

A contextualização tem a sua base no processo pelo qual o próprio Deus se utiliza como fonte do estilo de vida de um povo, para se revelar à ele.
Is 55: 6-11 indica que a vontade e propósito de Deus pré-existem desde a eternidade, portanto Ele antes mesmo de ser Criador era Salvador.

Outro aspecto que indica o processo de contextualização no exemplo do próprio Deus na sua relação para com a humanidade é que Ele sempre se revelou dentro de formas humanas já existentes.


Jesus o exemplo

Jesus se tornou o nosso modelo de contextualização pois a Bíblia afirma que o verbo se fez carne (Jo 1.14), e nessa condição, ele experimentou dor, fome, tudo que fazia parte da carne, ou seja da condição do ser humano que ele se tornou.

De fato, Ele nunca deixou de ser o verbo eterno, mas optou pela identificação com o ser humano. Este é o principio da identificação sem perda da identidade, é o principio que serve para o nosso trabalho missionário transcultural.

Barreiras

Alguns se recusam a se identificar com o povo com o qual querem servir. Preferem continuar sendo eles mesmos evitando toda e qualquer semelhança com os costumes do povo, permanecendo agarrados a sua herança cultural, impondo a sua própria cultura, desprezando a cultura receptora e consequentemente praticando um imperalialismo cultural extremamente negativo para a obra missionária.

O processo de aculturação possui três etapas segundo Donald Senior e Stuhlmueller: a violência, a indigenização e o desafio.

A fase de violência é a fase inicial quando o missionário chega com novas idéias que transformam as antigas, criam certos choques, e que desencadeiam algum gênero de mudança violenta. É a fase caracterizada pelo estabelecimento de cabeça-de-ponte.

A Segunda fase, que os autores chamam de indigenização é quando a nova idéia lança suas raízes e se re-exprime as suas crenças e práticas religiosas em conformidade com as crenças e práticas locais. Essa é uma fase longa e complicada, que bem direcionada pode caminhar para uma contextualização sadia, mas se for mal encaminhada pode descambar para o sincretismo.

A terceira fase é o que os autores chamaram de desafio, pois implica no desafio profético que transforma tanto a cultura como também a religião.
Segundo a missióloga Norte Americana Barbara Burns, no seu artigo ¨Teologia contextualizada - a integração da exegese bíblica e estudos missiológicos¨, um dos principais desafios no cumprimento da tarefa missionária é a contextualização da Bíblia. Ela argumentou que há muita polêmica no meio evangélico sobre como fazer isso, quais os limites, e até qual é a base para conseguir comunicar os propósitos de Deus em outras culturas.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

MODISMO E MISSÕES


Por Oswaldo Prado

Todos nós sabemos que a Igreja foi estabelecida para espalhar a glória de Deus por toda a Terra. Nada mais, nada menos que isso.
Exatamente por isso temos hoje, em solo brasileiro, a semente do Evangelho de Cristo, que foi plantada aqui, especialmente a partir de meados do século 19. O processo mais natural seria que esta Igreja Evangélica Brasileira, plantada por missionários forâneos, se tornasse, a partir de então, um agente promotor da glória do Senhor.

Mas não foi exatamente isso o que aconteceu. Esse Evangelho chegou até nós, igrejas foram plantadas, vidas foram transformadas, mas a visão da missão da Igreja ficou bem aquém daquilo que deveria ter acontecido.

Ou seja, o Evangelho avançou muito, mas priorizando sempre as próprias denominações e estruturas eclesiásticas, e também as suas posturas apologéticas.

Algo aparentemente inusitado veio a acontecer na década de 80, com um despertamento missionário entre muitas igrejas do nosso Brasil.

Proliferaram as conferências missionárias e muitos jovens e casais foram chamados e enviados para muitos lugares deste mundo. Nosso país passou a ser visto como "celeiro de missionários" e não mais como "campo missionário".

Tendo liderado por 10 anos uma agência missionária transcultural, pude ver com meus próprios olhos o que Deus fez em nosso meio. Passamos de pouco mais de 800 missionários transculturais na década de 80 para mais de 2000 nos anos 90!

Quem poderia imaginar algo assim?

Mas o tempo passou... Hoje estamos, já, no século 21 e muita coisa aconteceu de lá para cá, especialmente no que ser refere ao compromisso missionário de nossas igrejas.

Existem vários fatores que têm se tornado em obstáculos para o avanço do labor missionário. Mas, a meu ver, um dos fatores que tem capitaneado esta lista têm sido os modismos que vem e vão, mas estão sempre presentes em nosso meio.

Somos um povo evangélico que já deu provas suficientes que busca e persegue os modismos. A história da nossa geração tem o estigma do descartável, portanto, da mesma forma que algum tempo atrás estávamos imersos em algum tipo de liturgia ou hinologia em nossas igrejas, hoje iremos notar que muita coisa mudou.

E como não poderia deixar de acontecer, esses modismos vieram comprometer, especialmente nestes últimos anos, o avanço missionário brasileiro iniciado 20 anos atrás.

Mas, o que são esses "modismos"?

São movimentos cíclicos que surgem no meio da Igreja e que, na verdade, são modelos que nascem muitas vezes fora do nosso contexto nacional, mas são vistos como um grande recurso para o crescimento e sucesso de nossas igrejas.

Certamente muitos deles tem sua validade. No entanto, a pergunta que deveria ser feita é a seguinte: "Estes movimentos ou modismos tem ajudado o avanço da obra missionária (mono e tranculturalmente) ou apenas tem levado nossas comunidades a 'crescerem dentro delas mesmas'?.

Quantas de nossas igrejas hoje têm uma estrutura formada para servir a missão?
Nossa adoração têm nos levado a estar não somente diante do trono, mas também diante do perdido e do oprimido?
Nossas mensagens têm sido direcionadas a alimentar nosso rebanho e também a desafiá-lo a servir "fora das portas"?
Nossas reuniões administrativas têm servido para simplesmente gerenciar os negócios da igreja ou para servir melhor aqueles que não fazem parte de nossa comunidade?
Os recursos que tem entrado têm sido usados prioritariamente para manutenção da estrutura funcional da igreja ou canalizados para sustentar missionários e obreiros para plantação de novas igrejas?
Se estas perguntas nos levarem a conclusão de que estamos servindo muito mais a nós mesmos do que aqueles que não conhecem o Evangelho do Reino, então certamente estamos imersos em algum tipo de modismo, que tirou nosso foco da missão da Igreja.

Nesse caso, o melhor de tudo é parar para refletir, orar e voltar ao caminho que Jesus nos propôs: servir aos que não fazem ainda parte do Seu Reino.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

MISSÃO E ALEGRIA

Pr. Teófilo Karkle

A palavra Missões poderia chegar a ser uma palavra genérica, e como esta de moda este nome ‘genérico’ nas farmácias do mundo. Mas quando falamos de Missão de Alegria estamos falando de algo especifico, como um produto com marca e prestigio. Outras Missões específicas encontramos na web tal como Missão de Paz dos soldados da ONU. Missão Espacial, como as que realizam a NASA até a Estação Espacial Internacional (International Space Station) ou simplesmente ISS, mas nenhuma delas é mais importante que a Missão de Alegria.

A Bíblia fala 95 vezes da Alegria, e a referencia mais forte é aquela exclusiva do profeta Isaias quando profetiza o Ministério de Jesus, que faria três trocas em emoções enraizadas na alma dos seres humanos. A primeira troca seria das Cinzas que seria trocado por Gloria, a segunda emoção a ser trocada seria a Tristeza trocada por Óleo de Gozo e a ultima o espírito angustiado por vestes de louvor. (Isaias 61.3)

As cinzas falam de algo que passou que terminou que acabou. Um altar que pode ter visto a gloria de Deus, mas ao acabar o fogo o que vai restar é as cinzas. As Cinzas são a lembranças do passado que precisam ser trocada por Gloria.

O Óleo de Alegria é o próprio Espírito Santo, que ao fazer morada no cristão coloca nele o seu Fruto, que esta subdividida em nove gomos como de uma vergamota. O Gozo é o segundo gomo, pois dele no ser humano precisa diariamente, então é sumamente importante que o homem tenha gozo em sua alma.

Deixa-me eu falar que o espírito angustiado é o mais cruel de todos, quem já viveu esta experiência sabe como é difícil viver nos cantos da depressão, sem força, sem vontade, sem realizações. Mas quando ele é trocado por manto de louvor, não tem coisa melhor que poder cantar sempre, cantar muito louvores ao Deus da Nossa Salvação.
Alegrar-se é uma Decisão, você pode optar por Alegrar-se ou ficar fechado. Alegrar-se ou ficar aborrecido. Alegrar-se ou ficar emburrado. Você pode se Alegrar-se, ou ficar murmurando. Alegrar-se, ou ficar reclamando. Alegrar-se, ou ficar queixando-se.

Quero apresentar as três Decisões de Alegrarem-se mais importantes da Bíblia, que tomaram muitas pessoas, mas vamos destacar apenas três: Em momentos difíceis, de escassez, de necessidade, de seca, temos o profeta Habacuque com a mais notável Decisão: Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; Todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação. (Habacuque 3.17-18)

A outra Decisão de Alegrar-se sempre no mesmo nível profético foi de Isaias 61.10 Regozijar-me-ei muito no Senhor, a minha alma se alegrará no meu Deus; porque me vestiu de roupas de salvação, cobriu-me com o manto de justiça, como um noivo se adorna com turbante sacerdotal, e como a noiva que se enfeita com as suas jóias.

Não sou partidário que devemos se alegrar nas circunstancia difícil, nelas devemos chorar e pedir para Deus nos esconder no esconderijo do Altíssimo. (Salmos 91.1) Tem certos pregadores detonando com os que estão numa etapa difícil, levando eles a fingir uma alegria que não existe. Mas veja só o episodio do Salmo 126.1 e 2 Quando o Senhor trouxe do cativeiro os que voltaram a Sião, estávamos como os que sonham. Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cântico. Antes não.

Como você se Sente assim se Veste. Se você se sente de Luto, se vestirá assim, de negro, de pena, de lamentos. Se você se sente que ao ir aos cultos na sua igreja, você vai numa festa, para celebrar ao Senhor, você se vestirá de festa. Se você se sente como Isaias com a Salvação do Senhor, você se vestirá com roupas de salvação, ou manto de justiça, ou turbante sacerdotal, ou então com o manto de alegria. Atenção crente em Cristo Jesus, não podemos nos vestir como quem estamos perdendo, sofrendo, devemos nos vestir como salvos em Cristo Jesus.

Queremos colocar uma mulher como terceiro exemplo de Decisão de Alegria, ela é do Novo Testamento, ela é a mãe de Jesus, quando diz: E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador. Lucas 1.47

Façamos este exemplo pratico nas nossas vidas, diante das dificuldades não vamos correr no Telefone para desabafar, nos e-mails para pedir conselho, nas Caixas Eletrônicas, para tirar dinheiro a fim de dar uma saída fácil da tristeza. Não podemos tomar Rivotril para poder dormir, este é o medicamento mais vendido no Brasil, até Evangélicos estão tomando, o melhor chá para dormir é o da Raiz de Jessé.

Missão de Alegria é o que estamos fazendo aqui no Chile com o Ministério que Jesus tem nos dado que se chama Centro de Alegria. Missão de Alegria esta levando a Palavra de Deus a muitas vidas. O Centro de Alegria esta doando muitas Bíblias em espanhol para pessoas que precisam conhecer o gozo do Senhor, e estamos ensinando essas pessoas a ler a palavra de DEUS diariamente, assim elas vão descobrindo que a Alegria do Senhor é a nossa força. Neemias 8.10.

As palavras do anjo Gabriel para o sacerdote Zacarias fazem menção da Alegria (Lucas 1.19) E, respondendo o anjo, disse-lhe: Eu sou Gabriel, que assisto diante de Deus, e fui enviado a falar-te e dar-te estas Alegres Novas.
A Pregação do Evangelho é Nova de Grande Alegria, como disse o anjo aos pastores de Belém em Lucas 2.10 Não temais, porque eis aqui vos trago Novas de Grande Alegria, que será para todo o povo.
Os anjos se Alegram por um pecador que se arrepende, diz Lucas 15.7 e 10
Os discípulos se alegram ao ver que até os demônios se sujeitam ao nome de Jesus, quando eles saíram a pregar estas Boas Novas. Lucas 10.17 E voltaram os setenta com Alegria, dizendo: Senhor, pelo teu nome, até os demônios se nos sujeitam.

Finalizamos este artigo falando que se Deus tocar no seu coração com respeito à Missão de Alegria e queira colaborar com o nosso Ministério, estamos buscando em todo Brasil pessoas interessadas em ser Promotores de Alegria na sua cidade, escreva-nos para saber como participar. Visite também o nosso Blog do Centro de Alegria e faça parte deste Projeto Alegre.

Que Deus vos dê muita Alegria e aguardamos sua correspondência em nome de Jesus.
Pr. Teófilo Karkle e Mis. Ivone Karkle
CENTRO DE ALEGRIA
centrodealegria@hotmail.com
http://centrodealegriachile.blogspot.com

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

A RELIGIÃO E A MISSÃO

Pastor e Missionário Teófilo Karkle - Chile

Como lidamos diariamente com Missões, Deus tem colocado palavras ao meu coração, as quais não posso deixar de transcrever-las. Vinte anos de Missões nos da moral e autoridade para tocar no tema com segurança. Ademais somos Missionários ativos, práticos e estamos em Missão de coragem, Missão de amor, Missão de fé, Missão de verdade.

Há vozes no Brasil que se acham Autoridades só por que estão nos meios de comunicação ou por que tem uma copia escrita da Constituição brasileira em suas mãos e usam elas paralelo a Bíblia, fazendo valer a lei, desconhecendo que a Bíblia já vaticinou o desenfreio sexual, a mercantilidade da fé, a maximização da apostasia.
Alguns pensam que são opiniólagos do povo de Deus, como que representam todos os seguimentos evangélicos e que os demais são obrigados a segui-los no twiter, nas postagens das redes sociais, ademais acham que todos devem ouvir-los pela radio ou TV.

Alguns têm inventado coisas extras bíblica para seduzir massas com modismos, unções, determinações proféticas e títulos eclesiásticos do mais alto rango.
Já passou a época que um só homem era Sacerdote, Profeta e Juiz, como no caso de Samuel. São tantos os chamados por Deus, numa área especifica, com tantas novidades, em áreas tão gostosas como Missões, a estes devemos ouvir-los. Faço parte da nova Geração de profetas que não tem medo de condenar essa turma de lideres velhos que deixaram de ser referencia para ser tropeço. Que deixaram de fluir, para interromper, os mais novos.

Mas hoje esta assim: o mesmo homem quer Protestar contra os homossexuais, quer estar em Conferencia de avivamento, quer estar na TV, quer estar no mercado da literatura. Quer ser professor, quer ser seu próprio Diretor da sua própria escola. Quer ter uma Bíblia de Estudo comentada ou anotada por ele mesmo. Quer ser parecido com a graça de Deus que é multifacetica.
Passando o pente mais fino no tema de Missões, vários ministérios estão Exasperados e Desesperados por mais Arrecadações e ao mesmo tempo batalhando contra a homossexualidade. Ditos cujos tem um conhecimento de Missões de laboratório, aquela com camisa de punho branco e com abotoaduras douradas, pois nunca colocaram a mão no arado onde suja e machuca.

Não tem autoridade nenhuma em Missões, pois se metem em umas condições imposta pela religião de tal maneira que não estão enxergando alguns textos ditos por Jesus. Oh, e como convém enxergar, para parar com certos ativismos, secularismos, e para dedicar a verdadeira obra de Misericórdia.
A religião deixa cegas as pessoas, elas simplesmente não querem ver a realidade Missionária. Mateus 25.42 Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber.

A religião deixa surdos os ouvidos dos tão conhecidos crentes, eles não conseguem mais ouvir os clamores da terra, ou simplesmente mudam de canal, para não ser exortado afim de que haja arrependimento e cura. Lamentações de Jeremias menciona uma triste verdade: Todo o seu povo se lamenta enquanto vai à busca de pão; e, para sobreviverem, trocam tesouros por comida... Vocês não se comovem, todos vocês que passam por aqui? (Lamentações 1.10, 11)

Precisamos rever uma estória bíblica: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram, e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. E, ocasionalmente descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo. E de igual modo também um levita, chegando àquele lugar, e, vendo-o, passou de largo. (Lucas 10.30-32) A religião faz as pessoas passar de largo até de uma amizade missionária.

Tenho uma palavra de Jesus para ti pastor que não tem tempo de responder correios eletrônicos quando o assunto é Missão. Faço uma paráfrase com aquela igreja da Ásia, de Éfeso para ser mais preciso: Tenho contra ti pastor, que há deixado teu primeiro amor. Teu amor e tua paixão são outras motivações. Teus dedos hão tocados tantas teclas de Smartphone, Android, e-pad, do Notebook e as velhas teclas do PC, para cuidar apenas de assuntos pessoais.

Melhor ficar assim mesmo, pois se um pastor assim inventar de escrever artigos missionários, de ser colunista social e de querer falar de Missões sem condições humanas e divinas de misericórdia, de clemência, de amor, de compaixão, só estaria multiplicando palavras vazias, ocas, sem sentido.

A religião cria obedientes ao sistema e pessoas com medo de semear amor. A religião monopoliza as ofertas de Missões. A religião usa o mesmo texto da Bíblia, que os verdadeiros Mestres da palavra, para obrigar os crentes a dar suas ofertas onde se alimentam, para que haja alimento em minha casa, alias mais alimento. É tanto alimento que tem varias contas bancarias abertas, cofres, dólares, euros e até bolsa de valores. É uma acumulação de tesouro incrível, deveria voltar Fernando Collor de Melo e confiscar novamente todos esses depósitos de reserva, para fazê-la trabalhar no vermelho, mas não no vermelho do saldo negativo, mas no vermelho do sangue do cordeiro de Deus.

Penso que uma grande igreja deveria ser administrada por um pastor e as economias desta mesma igreja grande deveriam ser administradas nas mãos de Contadores-Auditores, pois um pastor que se mete a administrar o financeiro, não faz bem, nem um nem o outro. As pregações ficam com gosto de dinheiro e o dinheiro fica com gosto de espírito.

A religião esta mamando em tetas institucionais ou esta na mamata. A religião não coloca a mão no coração, mas sim no bolso. A religião não esta colocando a mão no índice da Bíblia, mas no índice das cotações.
Se você é partidário de Missões corretas e concretas, não deixe a religião te esfriar e apagar o teu desejo por Missões. Queremos convidar-te a nos escrever, queremos motivar através de mensagens e e-mails a que faça Missão com a gente, se não fazermos Missão agora, quando?

Pr. Teófilo Karkle
CENTRO DE ALEGRIA - CHILE
centrodealegria@hotmail.com