"“Muitos crentes consagrados jamais atingiram os campos missionários com seus próprios pés mas poderão alcança-los com seus joelhos” (Adoniran Judson)”"

sábado, 11 de setembro de 2010

DESAFIOS MISSI0NÁRIOS INDIGENA


Temos mais de 240 tribos diferentes em nosso território e destas, mais de 140 ainda não foram alcançadas pela obra missionária. Isto quer dizer que ninguém chegou até elas com o evangelho de Jesus Cristo.

Não há acesso permitido pelas autoridades constituídas e isto dificulta o avanço missionário junto aos indígenas.

v


Desafio – Tribo Xerente

Claudio Luiz Barroso Viana
Renilva Couto Viana
Filho(s): Yuri Couto Viana, Guenter Carlos Couto Viana
Projeto: TRIBO XERENTE - ALDEIA FUNIL, TO
Endereço: R. Brigadeiro Lizia Rodrigues
E-mail: claudio.viana@missoesnacionais.org.br

DESAFIO

Os xerentes são uma nação indígena com cerca de 3.000 índios, dispersos em mais de 54 aldeias dentro de duas áreas contíguas, com um total de 183.245.9032 ha, situadas no município de Tocantínia, TO. Os xerentes, como os demais povos índígenas, embora vivendo dentro do território nacional, constituem-se numa etnia distinta, com língua, costumes e cosmovisão bastante diferentes da nossa, só sendo possível alcançá-los por meio de alguém disposto a morar entre eles para aprender a língua e entender a cultura. O ministério desta família entre os xerentes é plantar igrejas fortes com liderança indígena, mas, para isso, precisam vencer o sincretismo religioso, presente em todas as culturas indígenas. Os missionários precisam também: ajudar os xerentes a manter residência nas aldeias, pois na cidade os jovens acabam se perdendo com amizades impróprias, alcoolismo, prostituição etc; cooperar na área da educação para que a condição social na tribo melhore, criando oportunidades de emprego para manterem suas famílias.
O que justifica a importância deste ministério é a miséria espiritual do povo, seu envolvimento com o alcoolismo, a dependência de pajés para a cura física, a total cegueira espiritual e o fato de que eles querem e pedem cultos em suas aldeias.


TRIBO NYENGATU - SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM

Alysson Borges Reis
Miriã Flores Francisco Borges Reis
Filho(s): Júlia Flores Borges

Projeto: TRIBO NYENGATU - SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM

Endereço: Caixa Postal

E-mail: alysson.reis@misseosnacionais.org.br

DESAFIO

São Gabriel da Cachoeira é um município situado na região noroeste do estado do Amazonas. Sua população hoje é de 40.137 habitantes numa área de 109.185 km². Distante 860 quilômetros da capital do estado, Manaus. Boa parte do seu território é abrangido pelo Parque Nacional do Pico da Neblina.
O município é considerado um ponto estratégico, e por essa razão a cidade é classificada como área de Segurança Nacional, pela Lei Federal número 5.449.
A população de Nyengatu é de mais de 1.200 índios espalhados pelo Estado do Amazonas. Na região da Foz do Rio Içana existem 10 comunidades (aldeias). A comunidade Buia Igarapé vivem nove família com uma população de umas 80 pessoas.
Essa aldeia Nyengatu está localizada no Posto Buia Igarapé, no baixo Rio Içana afluente do Rio Negro, no município de São Gabriel da Cachoeira, AM. De Manaus a São Gabriel da Cachoeira são de quatro a cinco dias de barco, subindo o Rio Negro. De São Gabriel para a comunidade Buia Igarapé, são vinte quatro horas de barco pequeno, ou de cinco a seis horas em uma voadeira com motor de 25hp, isso quando o rio está cheio.



Desafio - TRIBO YANOMÂMI - BOA VISTA, RR



Elias de Oliveira Taets
Nara Rubia da Silva Coelho Taets
Filho(s): Nayane Coelho Taets, Eliseu Coelho Taets

Projeto: TRIBO YANOMÂMI - BOA VISTA, RR

Endereço: Caixa Postal

E-mail: elias.taets@missoesnacionais.org.br

DESAFIO

Os ianomâmis são índios que habitam o Brasil e a Venezuela. No Brasil somam 15 mil pessoas distribuídas em 255 aldeias relacionadas entre si em maior ou menor grau. A noroeste de Roraima estão situadas 197 aldeias, que somam 9.506 pessoas. Fora os que estão no Amazonas.
As aldeias, que podem ser constituídas por uma ou várias casas ("malocas"), mantêm entre si vários níveis de comunicação, desenvolvendo-se relações econômicas, matrimoniais, rituais ou de rivalidade, percorrendo distâncias que podem atingir um raio de 150 km.
A palavra ianomâmi significa ser humano, enquanto que napë é a designação geral para o estrangeiro, o não- ianomâmi.
Os ianomâmis falam quatro línguas (ianomâm, sanumá, ianomamö e ianam ou ninan) pertencentes a uma família lingüística isolada, a ianomâmi. Cada língua pode possuir vários dialetos.
Os Ianomans são um subgrupo dos ianomâmis que habita o noroeste do estado brasileiro de Roraima e o nordeste do Amazonas, mais precisamente na terra indígena ianomâmi, bem como a Venezuela. Maior língua da família lingüística Ianomâmi no Brasil, a língua Ianomâm é falada nas aldeias da Serra Parima e regiões da Serra das Surucucus e do rio Catrimani.
Para ajudar o povo ianomami a conhecer Jesus, três áreas recebem atenção redobrada dos missionários: Saúde - Atendimento diário para dar aos índios o tratamento necessário para malária, gripe, tuberculose, leishmaniose e outras. Educação - Na escola é ensinado aos índios interessados ler e escrever na sua própria língua, mas com principal objetivo de um dia poderem ler e entender a Palavra de Deus, que aos poucos está sendo traduzida para a língua ianomami. Evangelização - Por intermédio de estudos bíblicos aos domingos com adultos e crianças, discipulado com as mulheres, reuniões de oração, e testemunho pelo contato diário com os missionários.

DESAFIO - TRIBO POTYGUARA - MARCAÇÃO, PB


Lisonete Florio dos Santos
João Santana dos Santos
Filho(s): Joalis Florio dos Santaos, Lisiane Florio dos Santos
Projeto: TRIBO POTYGUARA - MARCAÇÃO, PB
Endereço: R. Projetada
E-mail: lisonete.santos@missoesnacionais.org.br

DESAFIO

Marcação é um município no estado da Paraíba, localizado na microrregião do Litoral Norte, na Zona da Mata Paraibana. Tem uma população de 6.799 habitantes e área territorial de 123 km². A maioria da população é formada por indígenas do povo potyguara. Além de Marcação, há aldeias também na cidade de Rio Tinto e Baía da Traição. São no total 31 aldeias com cerca de 6.120 índios. Em Marcação há 14 aldeias e existem três igrejas evangélicas e uma católica.
Em apenas oito aldeias há cultos periodicamente e uma igreja na Aldeia Galego. O trabalho consiste em evangelismo, socorro dos enfermos, distribuição de alimentos, roupas usadas e objetos doados. Plantar novas igrejas que atuem na evangelização e transformação do povo potyguara para que conheçam a salvação em Jesus é o desafio.

DESAFIO - TRIBO NAMBIKWARA - VILHENA, RO



Ilma Regina Castro S. de Souza
Samuel Gonçalves de Souza
Filho(s): Renan Saramargo de Souza, Ramon Saramargo de Souza, Thalita Saramargo de Souza
Projeto: TRIBO NAMBIKWARA - VILHENA, RO
Endereço: Caixa Postal
E-mail: ilma.souza@missoesnacionais.org.br


DESAFIO

Rondônia está localizado na região Norte. Ocupa uma área de 237 576 km², e tem uma população de 1.562.417 habitantes. Sua capital é a cidade de Porto Velho.
Vilhena está inserida na Mesorregião do Leste Rondoniense é a maior mesorregião territorialmente. Com uma área de 29.600,165 km² e uma população de 993.054 habitantes, esta mesorregião é dividida em seis microrregiões. A Microrregião de Vilhena compõe a Mesorregião do Leste Rondoniense. Com uma área de 26.582,704 km² e população de 118.734 habitantes. É formada por seis municípios e Vilhena é um deles.
Vilhena é um município de Rondônia. Sua população é de 66.746 habitantes, numa área de 11.519 km². O nome "Vilhena" foi dado por Cândido Rondon em homenagem ao engenheiro maranhense chefe da Organização Telegráfica Pública, Álvaro Coutinho de Melo Vilhena.
A cidade é conhecida como Portal da Amazônia por estar situada na entrada ocidental da região Amazônica e está a 630 km distante da capital.
As aldeias da tribo nambiquara localizam-se no Oeste de Mato Grosso e região Sul de Rondônia, com uma população geral de 1.554 índios. Os que moram na cidade são chamados de "desaldeados", sendo de aproximadamente 82 índios. O povo nambiquara é bilíngüe: fala o português e sua língua materna - nambiquara. Das 19 aldeias, oito têm presença missionária e outras poucas, sendo assistidas periodicamente, as demais sem presença missionária.

Um comentário:

Luciaana Morais disse...

Boa noite, a graça e a paz do Senhor...
Gostaria de esta recebendo informações do casal Alisson Borges e Miriãn Borges, de seus trabalhos, situações atual etc.
Deus abençõe!