"“Muitos crentes consagrados jamais atingiram os campos missionários com seus próprios pés mas poderão alcança-los com seus joelhos” (Adoniran Judson)”"

sábado, 29 de agosto de 2009

O QUE É E COMO ORGANIZAR

"Missões é o cumprimento do imperativo de Deus dado à Igreja, de proclamar com fidelidade o Evangelho a todas as nações, de modo contextualizado, pela persuasão e vivência por todos os meios possíveis, estabelecendo igrejas autóctones, para a Glória de Deus" (AMTB).

Apresentação

O crescimento de nossas igrejas e a ampliação da visão em relação à sua missão tem provocado verdadeira revolução missionária nas comunidades eclesiásticas. É cada vez maior o número de crentes que sentem que devem assumir a responsabilidade de evangelizar o mundo inteiro. Nesse ideal, muitos têm se apresentado para o trabalho missionário e outro tanto assumido o compromisso de sustentar, com orações e ofertas, aqueles que vão.
Louvamos a Deus pelo despertamento missionário porque passam muitas de nossas igrejas. Entretanto, queremos ver todas as igrejas completamente envolvidas e comprometidas com missões. Ansiamos pelo dia quando as igrejas batistas do Brasil terão o seu Conselho Missionário tão bem organizado que poderão oferecer recursos materiais e espirituais àqueles que hoje servem de exemplo para os futuros missionários.
Com a finalidade de ajudar cada igreja a desenvolver a obra missionária de maneira abrangente, publicamos este manual Conselho Missionário: O que é e como organizar. Com ele todas as igrejas, qualquer que seja o seu tamanho, serão capazes de organizar um Conselho Missionário e de trabalhar de maneira mais eficiente na ampliação da visão missionária dos crentes.
Nossa oração é que este manual ajude sua igreja a cumprir as determinações de Atos 1.8 e a reescrever a história de missões na comunidade local, na sua cidade, no seu Estado, no Brasil e no mundo.

CONSELHO MISSIONÁRIO

DEFINIÇÃO E PROPÓSITOS
É um grupo formado por pessoas escolhidas pela igreja, segundo o governo local, disposto a ser instrumento nas mãos de Deus, com o propósito de motivar e mobilizar toda a igreja para o cumprimento da Grande Comissão (Mt 28.18-20).

O Conselho Missionário tem por objetivos principais:

• Gerenciar todo o programa missionário da igreja local;
• Ampliar a visão missionária da igreja com base nos ensinamentos bíblicos;
• Definir as estratégias para a expansão da obra missionária;
• Assessorar a liderança na área de missões;
• Envolver a Igreja no programa missionário denominacional;
• Manter a igreja informada sobre o avanço da obra missionária na cidade, no Estado, no Brasil e no
   mundo;
• Desenvolver projetos missionários que atendam às reais possibilidades da igreja;
• Promover campanhas, conferências, congressos missionários etc.;
• Promover a intercessão missionária;
• Estabelecer um programa de apoio aos vocacionados que queiram se preparar para o trabalho
   missionário;
• Mobilizar a igreja para que viva missões durante os 365 dias do ano.

COMO FORMAR UM CONSELHO MISSIONÁRIO

Qualquer igreja pode ter um Conselho Missionário. Organizar e mantê-lo funcionando é tarefa ao alcance de todas as igrejas, independentemente do seu tamanho.

Passos para formar o Conselho Missionário

1. Orar e buscar a visão de Deus para a obra que se pretende desenvolver;
2. Partilhar a idéia da formação do Conselho com o pastor da Igreja, que é o líder e, portanto, a pessoa-
    chave no processo;
3. Detectar outros membros da igreja que tenham o mesmo pensamento;
4. Buscar o apoio da liderança da igreja;
5. Apresentar, individualmente, a idéia àqueles membros que pensam diferente a fim de ganhar-lhes o apoio;
6. Elaborar um anteprojeto para a criação do Conselho Missionário e oferecer cópias do documento ao
    pastor e à liderança, solicitando sugestões;
7. Contatar com igrejas que possuam um Conselho Missionário para entender melhor a sua estrutura e
    funcionamento.

COMO ELABORAR O ANTEPROJETO

Um anteprojeto bem elaborado deve conter os seguintes itens:

• Objetivo
Estabelecer os objetivos que se pretende alcançar com a formação do Conselho Missionário na igreja local.

• Justificativa
Explicar o porquê da necessidade de se criar um Conselho Missionário. Enfatizar a urgência da expansão da obra missionária na localidade, no Estado, no Brasil e no mundo. Ressaltar a necessidade de um maior e melhor gerenciamento do programa missionário da igreja local.

• Perfil da Igreja
Descrever as características da membresia da igreja local (número de membros, sexo, escolaridade, nível sócio-econômico, número de contribuintes etc.)


• Problematização
Apresentar os desafios e as necessidades para avanço da obra missionária no Brasil e no mundo.

• Perfil dos membros do Conselho Missionário
Definir as características que cada crente deverá ter para ser indicado para compor o Conselho Missionário (maturidade cristã, ardor missionário, paixão pelas almas sem Jesus, visão da extensão da obra missionária).

• Atividades
Relacionar todas as atividades a serem desenvolvidas pelo Conselho Missionário a fim de alcançar os objetivos propostos.

• Orçamento
Apresentar à igreja as necessidades financeiras para que o Conselho Missionário possa desenvolver suas atividades.

A ESTRUTURA DO CONSELHO MISSIONÁRIO

Formar um Conselho Missionário não é tarefa muito simples. Dadas às suas peculiaridades, a sua organização exige um bom planejamento e uma estrutura mínima de funcionamento. O organograma abaixo ilustra a estrutura do Conselho Missionário de uma igreja local.

Note bem: o pastor deve fazer parte do Conselho Missionário. Como líder espiritual (e geralmente presidente da igreja) ele é de fundamental importância na sua liderança. Além disso, como sempre acontece, mesmo não ocupando cargos na diretoria, o pastor é membro ex-ofício de todas as organizações da igreja, inclusive do Conselho Missionário.
Se a igreja começa a dar os primeiros passos na organização do Conselho Missionário, não há necessidade de montar todas as áreas de uma só vez. A igreja pode ir aos poucos se estruturando para que tudo funcione a contento. As sugestões constantes deste manual podem e devem ser ajustadas à realidade local.

Considerações gerais
a. A igreja pode começar um Conselho Missionário com qualquer número de membros levando-se em conta o tamanho da igreja e o ministério de missões que pretende desenvolver. É importante que todos os seus componentes sejam membros ativos.
b. Todos os membros do Conselho Missionário serão eleitos pela igreja. O tempo de mandato de cada um deles será estabelecido conforme critérios adotados pela igreja. Caso um membro do Conselho Missionário ou o próprio presidente precise deixar o cargo, o próprio grupo deve criar critérios de substituição.
c. Até que esteja organizado, e com a própria diretoria eleita, o Conselho Missionário será constituído pela diretoria da igreja, com a avaliação do pastor em conjunto com os líderes que estão procurando estruturar o trabalho.
d. Mesmo após a sua organização, é bom que pelo menos um dos membros da diretoria da igreja faça parte ativa do Conselho Missionário.
e. Os membros do Conselho Missionário devem reconhecer essa função como um ministério.

ATRIBUIÇÕES DE CADA FUNÇÃO

Presidente
O presidente é o líder de missões, mas está submisso à autoridade do pastor da igreja. Ele pode representar o Conselho Missionário nas reuniões da diretoria da igreja e de outros departamentos, objetivando a unidade do ministério missionário da sua comunidade eclesiástica. Além disso, o presidente deve:
• Organizar a promoção missionária na igreja local;
• Manter a unidade e eficácia dos departamentos missionários;
• Encorajar os membros do Conselho Missionário nas suas respectivas funções;
• Administrar as verbas destinadas ao Conselho Missionário, apresentando relatório mensal à igreja;
• Envolver os membros do Conselho Missionário, quando possível, nas visitas aos campos, sob a orientação das respectivas juntas missionárias;
• Promover e liderar as conferências missionárias na igreja.

Vice-Presidente
Cabe ao vice-presidente assessorar e substituir o presidente em todas as ocasiões quando isso se fizer necessário.

Secretário
O secretário do Conselho Missionário deve fazer o registro das atas de todas as reuniões do Conselho Missionário e cuidar da correspondência. É sua tarefa empenhar-se para que haja um excelente fluxo de informações entre o Conselho Missionário e a igreja. Deve manter a agenda dos departamentos em dia, com todas as atividades, datas, horários etc., sempre de acordo com a agenda do pastor e da igreja. O secretário deve fazer contato periódico com os missionários mantidos pela igreja.
Observação: Não incluímos, na diretoria do Conselho Missionário, a figura do tesoureiro. Entendemos que toda a movimentação financeira deve ser realizada através da tesouraria da igreja, devendo a diretoria do Conselho Missionário prestar contas à igreja.

Atribuições das Áreas
Cada área elegerá o seu coordenador.

Área de Estratégia e Promoção
Tem por finalidade promover e divulgar atividades e estratégias que motivem e comuniquem sobre a obra missionária.

É sua atribuição envolver toda a igreja em missões com as seguintes atividades:
• Preparar metas para o sustento, oração e integração da igreja com os seus obreiros nos campos de missões;
• Manter os membros da igreja informados acerca do trabalho desenvolvido nos campos de missões estaduais, nacionais e mundiais;
• Servir como ponte entre a igreja local, os missionários e as juntas missionárias;
• Divulgar informações sobre os diversos campos missionários, seus projetos, desafios e as juntas missionárias;
• Incentivar as correspondências com os obreiros nos campos;
• Promover e organizar conferências missionárias, congressos, simpósios missionários etc.;
• Promover, sob a coordenação e orientação das juntas missionárias, visitas aos campos missionários.

A importância do promotor de missões
O promotor de missões é pessoa de fundamental importância na organização e funcionamento do Conselho Missionário e especialmente na Área de Estratégia e Promoção. O promotor precisa demonstrar ardor pela obra missionária e contagiar outros com a sua atuação. Elo entre a igreja e as agências missionárias, o promotor pode ou não ser o presidente do Conselho Missionário da igreja.

Quem é o promotor de missões?
O promotor de missões é aquele a quem Deus chamou para uma tarefa muito especial, que é ajudar a igreja a desenvolver sua consciência missionária, despertando-a para os desafios da evangelização.

Características essenciais ao promotor de missões
Para ser promotor de missões o candidato deve apresentar algumas características fundamentais ao exercício das suas funções:
• Ter convicção de sua salvação;
• Dar bom testemunho cristão;
• Ser membro ativo da igreja;
• Buscar diligentemente o preparo espiritual, através da oração e da leitura da Bíblia;
• Manter-se informado acerca do avanço da obra de evangelização;
• Ter disposição e disponibilidade de tempo para divulgar o trabalho missionário que é realizado no Brasil e no mundo sempre que lhe for oferecida uma oportunidade;
• Sentir-se chamado por Deus para o trabalho de promoção;
• Ter competência, visão, iniciativa, comprometimento, autoconfiança, liderança, fluência na palavra e organização.


Área de Educação Missionária
Tem por finalidade ajudar na formação da consciência missionária da igreja local.
É sua atribuição envolver toda a igreja em missões com as seguintes atividades:

• Planejar, em conjunto com a área de promoção e membros do Conselho Missionário, conferências, congressos, simpósios, feiras, exposições missionárias etc.;
• Promover a criação de uma biblioteca missionária;
• Estimular a leitura de livros de teor missionário e os periódicos publicados pelas juntas missionárias;
• Criar oportunidades para que os membros da igreja se envolvam com os missionários através da oração, ou desenvolvendo um ministério de oração em favor da obra missionária;
• Conscientizar os crentes através de estudos, mensagens e reflexões sobre a necessidade da contribuição para o sustento e a expansão da obra missionária;
• Implantar, em conjunto com o (a) diretor (a) de Educação Religiosa da igreja, uma classe de Introdução a Missões, como parte do programa regular da EBD, com duração e currículo fixos, para que todos os membros da igreja tenham a oportunidade de participar;
• Atuar em conjunto com o (a) educador (a) religioso (a) da igreja, a fim de promover uma melhor e maior conscientização missionária das crianças, durante todo o ano eclesiástico;
• Criar o Momento Missionário no culto (matutino e/ou vespertino) para orar por um missionário, um povo ou ler a experiência de um obreiro ligado à igreja;
• Organizar um espaço de missões.

COMO CRIAR UMA CLASSE DE INTRODUÇÃO A MISSÕES

Em conjunto com o Departamento de Educação Religiosa (DER), escolher uma sala para uma quantidade limitada de participantes, de acordo com o número de membros da igreja. Cada classe deve ter uma rotatividade de três meses e incluir em seu currículo uma introdução clara e objetiva sobre missões. Ao final do trimestre de estudos, poderá ser oferecido aos participantes um certificado de conclusão do curso.

Como criar um espaço de missões
O Conselho Missionário deve possuir um espaço aberto ao público, para exposição dos certificados de adoção missionária, divulgação de relatórios, estatísticas, anúncios, informações sobre os campos etc.

Organização
• Escolher um local adequado e de fácil acesso. Pode ser uma sala, um hall, uma parede, ou um mural.
• Escolher uma pessoa, do Conselho Missionário, para cuidar do seu bom andamento e da sua boa utilização e do envolvimento da igreja no programa de conscientização missionária através deste espaço.
• Decorar este espaço com mapas, fotos, quadros estatísticos, objetos, trajes típicos, para apreciação e exposição.
• Providenciar livros, revistas, jornais, folhetos com temas missionários e montar uma pequena biblioteca para empréstimo e divulgação aos membros da igreja.
• Utilizar o espaço, no caso de sala, para promover encontros de oração em favor dos obreiros e dos campos.
• Abastecer o espaço com informações atualizadas sobre os obreiros, os campos missionários e as necessidades dos povos.

Como realizar uma Conferência Missionária
A Conferência Missionária tem como propósito desafiar e encorajar os membros da igreja para a expansão da obra missionária, no sentido de estabelecer o programa missionário que a igreja assumirá.

Planejamento

Primeiros passos:
• Definir a data, o local e o horário;
• Definir a equipe organizadora;
• Estabelecer o número de participantes e o público-alvo que se deseja atingir;
• Escolher o tema e a ênfases a serem abordados na Conferência Missionária;
• Elaborar o conteúdo do programa;
• Escolher e contatar os conferencistas e preletores;
• Divulgar, com boa antecedência, toda a programação;
• Confeccionar convites e cartazes para a promoção.

Programação
• Definir, em conjunto com a equipe, a região geográfica que será enfocada (estados, países, continentes ou regiões);
• Escolher as músicas, os textos bíblicos, os regentes, os músicos, os dirigentes etc.;
• Definir os enfoques para abordagem nos seminários ou grupos de interesse;
• Elaborar, paralelamente à experiência missionária, uma Conferência Missionária Infantil, na qual serão apresentadas histórias missionárias, textos bíblicos e atividades manuais que despertem nas crianças amor e visão missionária.


COMO REALIZAR UMA EBF MISSIONÁRIA

O que é?
É uma extensão da EBD; é a igreja investindo na sua tarefa básica de buscar, ensinar, ganhar e treinar pessoas, no propósito de proporcionar às crianças oportunidades para conhecer melhor e participar do trabalho que os batistas brasileiros realizam no Brasil e em diversos países do mundo.

Planejamento

Primeiros passos:
• Definir o local onde a EBF Missionária será realizada (na sede, numa das congregações ou outro local);
• Estabelecer o horário mais apropriado de acordo com a realidade da igreja (manhã, tarde ou noite);
• Divulgar o evento com boa antecedência;
• Pesquisar e aprofundar os temas missionários que serão abordados;
• Providenciar os recursos financeiros necessários;
• Confeccionar convites, faixas e cartazes para divulgação;
• Providenciar todo o material didático necessário para realização das atividades.

Equipe necessária
• Diretor
• Secretários
• Professores e auxiliares
• Comissões (música, divulgação, lanche, recreação, limpeza etc)

O programa geral
• Organizar cuidadosamente os programas diários;
• Distribuir o material de atividades para cada professor (histórias, trabalhos manuais etc.);
• Preparar o ambiente de cada sala com gravuras, bandeiras do Brasil e nações focalizadas, globo terrestre etc.;

Observação: Dar destaque à Bíblia em todas as atividades da programação.

Realizando a EBF Missionária
• Certificar-se, diariamente, de que tudo está pronto para a chegada das crianças (recepcionistas, crachás, professores, auxiliares, musicistas etc.);
• Organizar a programação de acordo com o seguinte roteiro:
1. Processional (entrada das crianças em marcha)
2. Boas-vindas
3. Saudação às bandeiras Nacional e Cristã e à Bíblia Sagrada
4. Recitação do tema e da divisa da EBF Missionária
5. Cântico do hino oficial da EBF Missionária
6. Leitura bíblica alternada
7. Oração
8. Divisão em classes
9. Estudo bíblico missionário
10. Atividades de fixação (exercícios, cânticos etc.)
11. Lanche
12. Recreação
13. Inspiração missionária (história moral)
14. Atividade manual
15. Atividades de encerramento
• Ao final de cada dia de atividade, após a saída das crianças, reunir a equipe para uma avaliação. Levantar os pontos positivos e negativos da programação e buscar soluções para que os problemas não se repitam. Encerrar com uma oração.
• Planejar, em conjunto com a equipe, para o último dia da EBF Missionária, uma exposição de todos os trabalhos manuais feitos pelas crianças para apreciação da igreja, dos pais e dos convidados.

COMO REALIZAR UM CONGRESSO MISSIONÁRIO

O Congresso Missionário é um encontro de pessoas que se reúnem para tratarem de assuntos de importância para a obra de evangelização, com o propósito de despertar os crentes quanto à sua responsabilidade missionária, motivando-os para o sustento de obreiros e despertando vocacionados e intercessores.

Planejamento

Primeiros passos:
• Definir a data, o local e o horário;
• Definir a equipe organizadora;
• Estabelecer o número de participantes e o público-alvo que se deseja atingir;
• Escolher o tema e as ênfases a serem abordados no Congresso Missionário;
• Elaborar o conteúdo do programa;
• Escolher e contatar o orador oficial e demais preletores;
• Escolher e contatar os facilitadores (coordenadores) das oficinas;
• Contatar agências missionárias para o envio de material informativo ou para a instalação de estandes e workshops;
• Divulgar, com boa antecedência, toda a programação;
• Confeccionar convites e cartazes para a promoção.

Programação
• Escolher uma base bíblica que sustente o tema sugerido;
• Escolher as músicas, os textos bíblicos, os regentes, os músicos, os dirigentes etc.;
• Definir os temas e subtemas a serem abordados nas oficinas;
• Levantar todo o material didático necessário ao bom andamento das oficinas;
• Contatar agências missionárias e viabilizar a presença de um ou mais obreiros para participação nas oficinas e/ou preleções;
• Planejar um congresso simultâneo para as crianças;
• Recrutar uma equipe de professores e auxiliares para o planejamento das atividades diárias;
• Viabilizar a participação dos preletores oficiais no Congresso Missionário Infantil;
• Providenciar lanche para os congressistas mirins;
• Providenciar todo o material necessário às atividades.


POLÍTICA DE SUSTENTO MISSIONÁRIO

Cabe ao Conselho Missionário estabelecer, criteriosamente, regulamentos para o sustento de missões de acordo com a visão clara que encontramos na Bíblia.

A igreja local deve assumir as seguintes responsabilidades:
1. Sustentar financeiramente (integral ou parcial) os missionários adotados;
2. Criar oportunidades, através do Conselho Missionário, para motivar os seus membros a contribuírem para a obra missionária.

A igreja, na sua soberania, tem os meios de levantar ofertas missionárias, através do:

a) Fundo Missionário - Criado no orçamento da igreja e aberto aos irmãos que desejam contribuir diretamente para projetos missionários, etc.

b) Ofertas Especiais - São ofertas levantadas em ocasiões específicas. É claro que as respectivas campanhas podem se estender a critério da Igreja.

c) Programa de Sustento Missionário - Quase todas as convenções estaduais, possuem um programa de sustento missionário. Esse programa possibilita um envolvimento direto e constante da igreja e dos crentes na obra de missões. Através do sustento parcial ou integral dos missionários, muitas igrejas e inúmeros crentes estão expandindo o reino de Deus aqui na terra.

Quem pode participar do programa de sustento missionário? Todas as igrejas e suas organizações pessoas físicas e jurídicas. Enfim, todo crente que ama missões e tem como sua a responsabilidade de evangelizar os povos, encontra nesses programas a oportunidade de participar dos esforços missionários das juntas e das convenções estaduais. O mais importante é que o participante assume, não apenas o compromisso de contribuir financeiramente, mas, principalmente, o de orar diariamente pelo obreiro adotado.

Como a igreja local pode aplicar as ofertas levantadas?
• No sustento dos missionários;
• No apoio aos projetos missionários;
• Na organização e promoção de congressos, conferências e simpósios missionários.

As reuniões do Conselho Missionário
Por ser um grupo que representa a igreja nas decisões e atuações missionárias, o Conselho Missionário deve realizar reuniões periódicas. A presença de todos os membros é fundamental e deve ser requerida.

PREPARO MISSIONÁRIO

O preparo missionário é de grande importância, pois oferece aos membros do Conselho Missionário subsídios para orientar os vocacionados que desejam se preparar melhor para servir ao Senhor, no campo ou na igreja local.

O preparo missionário pode ser de três maneiras:

• Preparo formal
O vocacionado que opta por esse tipo de preparo acadêmico deve entrar em contato com a instituição teológica através da qual pretende se preparar. Em geral, essas instituições exigem que o candidato seja recomendado pela igreja onde é membro, escreva a sua experiência de conversão e chamada e tenha, até a data da matrícula, no mínimo 18 anos completos.
Por oferecerem cursos de nível superior, o candidato deve apresentar certificado de conclusão do 2º grau. Algumas instituições, além da documentação de praxe, submete os candidatos a um exame vestibular.
O vocacionado pode optar por um dos seguintes cursos:
• Bacharel em Teologia
• Bacharel em Educação Religiosa
• Bacharel em Música Sacra
• Educação Missiológica e outros
A duração média desses cursos é de quatro anos. Ao conclui-lo, o vocacionado recebe o grau de Bacharel.
• Preparo informal
O preparo informal não faz tantas exigências ao candidato. Em geral, basta ser membro ativo de uma igreja e ser por ela recomendado. Esse preparo é oferecido:
• Por um centro de treinamento, por uma igreja ou associação de igrejas.
• Por uma instituição teológica
É comum as instituições de ensino teológico formal oferecerem cursos de extensão, abertos às comunidades eclesiásticas. São os chamados cursos para leigos. Alguns desses cursos são oferecidos durante o ano letivo ou no período de férias.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A sua igreja, qualquer que seja o tamanho, pode ter um Conselho Missionário. É só estruturá-lo adaptando as sugestões deste manual à realidade local.
• O Conselho Missionário não substitui o trabalho das agências missionárias. Ele existe para apoiar e divulgar o trabalho missionário. Às agências missionárias cabem as tarefas de selecionar, treinar e supervisionar diretamente o trabalho dos missionários nos campos.
• O Conselho Missionário foi criado para estimular os vocacionados e incentivar os crentes e a igreja local a uma participação efetiva no sustento espiritual e financeiro da obra.
• Uma vez organizado e estruturado, o Conselho Missionário se responsabilizará em formar o estilo de vida missionária da igreja.

CONCLUSÃO
A história da expansão da Igreja de Cristo narrada no livro de Atos dos Apóstolos ainda não está concluída. Os cristãos primitivos escreveram os primeiros 28 capítulos. Os demais têm sido escritos ao longo dos anos pelas igrejas que ousaram investir na obra missionária. Os próximos capítulos estão sob a sua responsabilidade.
Para a igreja que quer desenvolver um ministério de conscientização missionária, este Manual pode ser de grande valia. Então, mãos à obra!

Nenhum comentário: